“Falta muito pouco para o mercado dos veículos eléctricos estar de facto a funcionar”

José Mendes, secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, afirma que é em Portugal que decorre a "maior operação de aquisição de autocarros a gás e eléctricos ambientalmente mais eficientes" de toda a Europa

Foto
Rui Gaudêncio

Portugal vai impedir venda de veículos poluentes novos a partir de 2040

Portugal comprometeu-se a conseguir a neutralidade carbónica em 2050. Quais são as prioridades?
Teremos de ter uma espécie de roadmap que indique como é que cada sector chega a esta neutralidade. Mas como o sector do transporte é responsável por 25% das emissões, é natural que ele seja um dos mais importantes, e que a electrificação dos veículos e seja muito importante neste contexto.

Qual é a importância de ter assumido a presidência da Aliança para Descarbonização dos Transportes?
Creio que não é por acaso que está um português como chairman de uma aliança que tem entre os seus membros países como a França, a Holanda e a Finlândia, cidades como Hamburgo e Roterdão, ou empresas como a Michelin e a Alstom. Acredito que Portugal assumiu este protagonismo porque tem políticas concretas no plano interno para mostrar.

Dê-nos exemplos.
A maior operação de aquisição de autocarros a gás e eléctricos, ambientalmente mais eficientes em toda a Europa está a decorrer em Portugal. São 516 autocarros, dos quais 72 eléctricos, cuja aquisição está a ser financiada no âmbito do Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR). O pacote de incentivos fiscais que damos a para aquisição de veículos eléctricos aos privados é muito competitivo, de classe mundial. Também estamos a trabalhar na expansão da rede de carregamento, investimos na compra de carregadores eléctricos semi-rápidos (404 pontos de carregamento que estão a começar a ser instalados), e sabemos que com a abertura do mercado, que está para muito breve, vai trazer muito mais investimento privado. Começará, de facto, a existir um mercado. 

O que é que falta para o mercado estar liberalizado?
Falta começarmos a fazer os pagamentos aos operadores. Temos tudo pronto para isso, estamos à espera de que os vendedores de energia para a mobilidade eléctrica completem os seus sistemas informáticos e os seus tarifários. Isto não depende do Estado, mas sabemos que vai acontecer muito em breve. E quando acontecer, o resultado será começar a aumentar a competição, e vai aumentar o investimento. Falta muito pouco para o mercado estar de facto a funcionar.