CDS abre porta a ensino bilingue na escola pública

CDS já tem alinhavadas algumas propostas com que se vai apresentar ao eleitorado em 2019.

Foto
CDS está adiantado no seu futuro programa eleitoral Martin Henrik

Com a construção do programa eleitoral a bom ritmo, o CDS já tem alinhavadas algumas propostas com que se vai apresentar ao eleitorado em 2019. Uma delas é o alargamento aos 12 anos da escolaridade obrigatória do inglês, com a atribuição de um certificado no final e a possibilidade de introduzir o ensino bilingue na escola pública. É possível que o programa seja tornado público já no final deste ano, a nove meses das legislativas.

“Parece-nos possível que, gradualmente, com todas as cautelas que isso tem de ter no domínio da língua materna, passar a haver algumas disciplinas leccionadas em inglês”, adiantou ao PÚBLICO Ana Rita Bessa, referindo História e Ciências como exemplo. “Não se trata de propor a radicalidade de um sistema bilingue na escola pública mas permitir que haja essa flexibilidade”, referiu a deputada, que faz parte do grupo de trabalho que está a preparar o programa eleitoral.

Assumindo o ensino de uma língua estrangeira como um valor acrescido, o CDS quer tornar obrigatório o inglês desde o primeiro ano do ciclo e estabelecer a atribuição de um certificado por parte de uma entidade externa no 12º ano.

Com um grupo de trabalho a funcionar desde o congresso de Março, a que acresce o contributo das conferências Ouvir Portugal e do gabinete de estudos, o CDS já consegue apontar os temas fortes do programa: área laboral (como a proposta de consagrar a flexibilidade do trabalho à distância), ensino, fiscalidade e saúde. Mas a perspectiva assumida não é a tradicional e assenta num método de trabalho que parece rigoroso.

“Nós banimos algumas palavras como benefícios fiscais. Não quer dizer que não venham a estar lá, mas neste momento o que queríamos era ter um conjunto de medidas que fossem prospectivas para um Portugal de futuro. Coisas diferentes, como a introdução do digital no mundo do trabalho, do estudo ou na vida das pessoas do dia-a-dia”, revela.

O grupo de trabalho, liderado pelo vice-presidente Adolfo Mesquita Nunes, fez um levantamento de mais de 100 questões e organizou reuniões de hora e meia em que são ouvidos especialistas e independentes sobre as "vantagens, desvantagens e soluções". É deste caldo que surgem as medidas que vão constar no programa eleitoral para 2019.

Assunção Cristas tem por hábito antecipar candidatos e propostas. O programa, segundo Ana Rita Bessa, não deverá ser excepção: “Gostaríamos de ter uma versão, que se poderia tornar pública, até para melhoria do programa, até ao final do ano. Vamos ver se é possível”.