Lavagem de tanques de combustível poderá estar na origem de foco poluente em Sesimbra

Foi usado material absorvente de hidrocarbonetos e colocada uma barreira de contenção para confinar o foco de poluição detectado na sexta-feira de manhã.

Fotogaleria
O delegado regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo disse “não existir perigo para a saúde pública" DR
Fotogaleria
O delegado regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo disse “não existir perigo para a saúde pública" DR

Os banhistas que frequentavam a praia do Ouro em Sesimbra foram surpreendidos, durante a manhã desta sexta, com o surgimento de um foco de poluição com cerca de 200 metros quadrados que a Autoridade Marítima Nacional (AMN) concluiu ser de hidrocarbonetos.

O Centro de Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo (MRCC) de Lisboa, recebeu uma indicação de que “existiria um foco de poluição” na praia do Ouro, em Sesimbra. Esta informação foi comunicada ao comando local da Polícia Marítima de Setúbal por volta das 11 horas, que rapidamente fez deslocar uma patrulha da Polícia Marítima, que confirmou tratar-se de uma mancha de poluição provocada por hidrocarbonetos, e que se concentrava numa área com cerca de 200 metros quadrados.

A capitania diz ter alertado de imediato a Câmara de Sesimbra, a Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra (APSS), a Direcção Geral de Saúde (DGS) e a Agência Portuguesa do Ambiente (APA-ARH Alentejo), ao mesmo tempo que era pedido o apoio do Serviço de Combate à Poluição da Autoridade Marítima Nacional.

Foi usado material absorvente de hidrocarbonetos e colocada uma barreira de contenção para confinar o foco de poluição junto ao esporão poente da praia do Ouro. Mais tarde, o delegado regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, deslocou-se ao local e confirmou “não existir perigo para a saúde pública”, nem necessidade de interditar a praia.

Durante a manhã deste sábado, a APA-ARH  Alentejo disse que ia proceder à recolha de água na praia do Ouro para realização de análises.

A AMN adianta não ter sido possível detectar a fonte poluidora. No entanto “tudo leva a crer” que se tenha tratado duma situação de “lavagem de tanques de combustível realizada por um navio ou uma embarcação durante a noite [de quinta] ao largo de Sesimbra” concluiu esta entidade.