Presidente de Pedrógão convoca reunião para debater caso a caso os problemas das habitações

A Comissão Técnica do Fundo Revita vai reunir-se esta sexta-feira para verificar todos os casos de alegadas irregularidades na reconstrução de habitações ardidas nos incêndios.

Valdemar Alves foi reeleito presidente da câmara
Foto
Valdemar Alves foi reeleito presidente da câmara Sergio Azenha (colaborador)

Dias antes da reunião com a população de Pedrógão Grande, que acontecerá na segunda-feira, o presidente da câmara, Valdemar Alves, pediu a realização de uma reunião da Comissão Técnica do Fundo Revita, o fundo gerido pelo Estado que gere o destino dos donativos a aplicar na região, para que sejam verificados os processos das casas que foram reconstruídas e que levantaram dúvidas de alegadas irregularidades.

Num comunicado de imprensa, enviado às redacções por uma empresa de relações públicas que passou a assessorar o município, é escrito que a convocatória desta reunião por parte do presidente da Câmara Municipal de Pedrógão Grande se deve "a notícias de irregularidades em processos de reconstrução de casas".

A reunião vai decorrer esta sexta-feira, pelas 14h30, nas instalações da Associação Pinhais do Zêzere, naquele concelho.

A Comissão Técnica, que agora irá reunir, é composta por elementos das câmaras dos três concelhos mais afectados pelo incêndio de Junho - Pedrogão Grande, Castanheira de Pêra e Figueiró dos Vinho, por representantes da Comissão de Coordenação de Desenvolvimento Regional do Centro (CCDR-C), e pela Unidade de Missão para a Valorização do Interior. Esta comissão, que é o braço técnico do Fundo Revita, decidiu caso a caso pela reconstrução das habitações. 

Apesar de nem todas as 261 habitações terem sido reconstruídas pelo Fundo Revita - várias delas foram-no por privados - deste leque de casas, a grande maioria é instruída pelo Revita e reencaminhada para as entidades que irão ficar responsáveis pela reconstrução.

Com a realização deste encontro, Valdemar Alves antecipa a resposta a dar à população. Ficou agendada para a próxima segunda-feira, sob proposta do presidente da câmara, uma sessão extraordinária da Assembleia Municipal de Pedrógão Grande apenas para debater a reconstrução de casas.

Das 261 casas reconstruídas pelo Revita e por várias entidades privadas, houve uma lista (feita por moradores da zona) de 30 situações que levantavam dúvidas. Entre esses casos, o mais frequente é o da alteração da morada fiscal depois do incêndio, transformando segundas habitações em habitações permanentes, como relatado pela Visão e mais tarde pela TVI, situações que estão a ser investigadas pelo Ministério Público. Nos restantes, há casos com alguma especificidade (como o apoio a uma pessoa com deficiência de 69%) ou reconstruções que foram apoiadas por entidades privadas, não dependentes das regras do Revita.

Dos processos analisados pelo PÚBLICO, junto de várias entidades envolvidas na reconstrução, a maioria está conforme a legislação, mas há cinco que, admitem os envolvidos, carecem de explicação apesar de serem considerados regulares. É o caso de habitações que foram construídas depois da morte dos proprietários: duas em Castanheira de Pêra e uma em Pedrógão Grande. E há mais duas situações relativas aos incêndios de 15 de Outubro, aos quais se aplicam regras específicas.