Confirmadas 19 pessoas doentes do voo da Emirates para Nova Iorque

Alguns passageiros já exibiriam sintomas antes de embarcarem no Dubai.

Fotogaleria
Reuters/SOCIAL MEDIA
Fotogaleria
Reuters/SOCIAL MEDIA
Fotogaleria
O avião em causa, um A380, é a maior aeronave de passageiros do mundo LUSA/SASCHA STEINBACH

Pelo menos 100 pessoas, entre passageiros e tripulação, afirmaram estar a sentir-se doentes, durante um voo da companhia aérea Emirates, que ligava o Dubai ao Aeroporto JFK, nos Estados Unidos. As autoridades norte-americanas confirmaram que pelo menos 19 pessoas adoeceram de facto.

Dez das 19 pessoas do voo 203, que aterrou com 521 passageiros por volta das 9h00 (14h00 em Lisboa), foram levadas para hospitais, enquanto outras nove recusaram tratamento, disse Raul Contreras, um porta-voz do gabinete do mayor Bill de Blasio de Nova Iorque. “As outras pessoas estão bem.”

A aeronave em causa é um A380, o maior avião de passageiros do mundo. Durante a viagem, os passageiros doentes apresentavam sintomas como tosse e febre alta. O avião levado para para uma área afastada dos terminais de passageiros, cercado por um dispositivo de emergência. O Centro para Controlo e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) montou uma área para observar cada passageiro com a colaboração da Autoridade da Polícia Aeroportuária.

A Casa Branca também informou que está a seguir o caso. A cadeia de televisão CBS adianta que uma intoxicação alimentar ou uma síndrome viral são as hipóteses levantadas para já pelos médicos no local.

A intervenção dos elementos do CDC, que entraram no avião e mediram a temperatura a toda a gente, foi relatada em directo por Larry Coben, um passageiro que tem publicado informações na sua página de Twitter, e que entretanto já foi autorizado a sair do avião.

Outra passageira, Erin Sykes, disse à CNN que várias pessoas já apresentavam sintomas antes de embarcarem no avião, no Dubai: “Já era óbvio que um grande número de pessoas estavam doentes. Havia gente a tossir o tempo todo. Agora, algumas têm febre. Nunca deveriam ter sido autorizadas a embarcar”.

“Pedi uma máscara à hospedeira ainda antes de levantarmos mas não havia nenhuma disponível”, contou à CNN.

O incidente acontece no mesmo dia de outro caso semelhante, mas sem relação directa. Em França, vários passageiros de um voo proveniente da Argélia foram hospitalizados após a aterragem em Perpinhão, depois de se suspeitar que uma criança a bordo estaria infectada com cólera.