Saúde

Comissário europeu reitera necessidade de abordagem concertada da vacinação na UE

Em 26 de Abril, a Comissão Europeia recomendou o desenvolvimento de planos nacionais ou regionais de vacinação, com uma meta comum de cobertura de 95%, contra o sarampo e a criação, até 2020, de um programa de vacinas comum na UE.
Foto
Marco Duarte

O comissário europeu para a Saúde, Vytenis Andriukaitis, reiterou esta terça-feira a necessidade de "uma abordagem concertada e estratégica" para combater a renitência às vacinas e para melhorar a taxa de vacinação na União Europeia (UE).

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

"A vacinação é um acto de solidariedade e precisamos de uma abordagem concertada e estratégica para lutar contra a renitência às vacinas e para melhorar a taxa de vacinação na UE e nos países vizinhos. Na realidade, as doenças infecciosas não param nas fronteiras", vincou.

Vytenis Andriukaitis congratulou-se pelo lançamento da Acção Comum europeia sobre vacinação, que terá lugar esta terça-feira em Paris, considerando que aquela "ajudará a salvar vidas na Europa, particularmente aquelas dos grupos mais vulneráveis, como as crianças". Esta Acção Comum é coordenada pela França e essencialmente financiada por um programa de Saúde da UE, com um orçamento de 3,5 milhões de euros para três anos.

O objectivo é partilhar conhecimentos que permitam reforçar as respostas nacionais aos desafios da vacinação e favorecer uma cooperação comunitária duradoura contra "doenças evitáveis pela vacinação".

Em 26 de Abril, a Comissão Europeia recomendou o desenvolvimento de planos nacionais ou regionais de vacinação, com uma meta comum de cobertura de 95%, contra o sarampo e a criação, até 2020, de um programa de vacinas comum na UE.

A proposta inclui também a possibilidade de ser desenvolvido um cartão de vacinação comum na UE, que pode ser partilhado por via electrónica, e o estabelecimento de um sistema europeu de partilha de informações para recolher conhecimentos e desenvolver orientações para um programa central de vacinação até 2020, com doses e idades que os Estados-Membros da UE concordem que são comuns a todos os países.

Bruxelas propõe ainda a introdução de controlos de rotina do estatuto vacinal e oportunidades regulares de vacinação em diferentes fases da vida, por exemplo, nas escolas e nos locais de trabalho.

A Comissão Europeia quer ainda que seja criado um portal europeu de informações sobre a vacinação até 2019, para fornecer elementos de prova objectivos, transparentes e actualizados sobre os benefícios e a segurança das vacinas.