Carlos Martins: “Foi a primeira vez que ouvi um som e disse: eu tenho de fazer isto”

Saxofonista, animador do projecto Sons da Lusofonia, Carlos Martins escolheu o disco que o empurrou para o jazz. Uma noite, desceu umas escadas e ouviu Duke e Coltrane.

Foto
Carlos Martins DR

Alentejano nascido em Grândola, em 1961, até àquele momento Carlos Martins “nunca tinha ouvido jazz na vida, nem na rádio nem em discos.” Até que, numa viagem a Lisboa com a namorada, tinha ele 17 anos, entrou por sugestão dela no Hot Clube. “Quando entrei estava a tocar um disco do Coltrane com o Duke Ellington. Nunca mais me esqueci disso, porque foi a primeira vez que ouvi um som e disse: eu tenho de fazer isto.” O que ele fazia antes já andava lá perto: tocava num conjunto de Grândola, em saxofone e clarinete, Mack the knife ou temas de Louis Armstrong “durante horas, nos bailes, para o vocalista descansar.” A namorada ouviu-o e disse-lhe que aquilo era uma coisa “muito próxima do jazz”. Para ele, que não conhecia o jazz, o Hot foi a decisiva iniciação.

“Quando ouço as notas do In a sentimental mood do Duke Ellington com aquele saxofone do Coltrane a tocar, digo ‘uau, é isto que eu quero seguir, esta energia’. Claro que depois fiquei no clube, mas não havia ninguém a tocar, só discos. Lembro-me de ter pedido para ver a capa do disco, que nessa altura era em vinil.” Isso apressou a sua ida para Lisboa. Mas com um novo e curioso episódio: foi apurado, por concurso nacional, para a banda da GNR como clarinetista. “Fiquei entre os primeiros cinco que entraram. E com um ordenado fabuloso para um miúdo de 18 anos. E tinha todo o espaço do mundo para ir para o Hot Clube estudar com o Zé Eduardo e outros e participar nas orquestras.”

Bateria e Luís Morais

Antes destas histórias há ainda outra, mais extraordinária. Carlos tocava na filarmónica grandolense, clarinete, mas o que adorava tocar era bateria. “Passava horas a tocar com tachos e panelas. Nessa altura reactivou-se em Grândola um conjunto chamado Inovação e eu disse-lhes que gostava de tocar bateria.” Disseram-lhe que o ensinavam, mas, como já tocava clarinete e saxofone, pediram-lhe para tirar umas músicas de uma cassete vinda de África. “Começo a ouvir, eram mornas e coladeiras do Luís Morais, e pela primeira vez comecei a praticar treino auditivo. Graças a isso pude começar a ouvir a música por dentro e não a lê-la num papel; a música na sua grande tradição, que é a oral.”

Cinco anos depois, já em Lisboa, ele e o trompetista Tomás Pimentel, estavam a ajudar a gravar álbuns cabo-verdianos produzidos por Paulino Vieira. “Uma noite chega o Bana e havia uma enorme festa para celebrar uma comitiva que tinha vindo da Cabo Verde. O Paulino disse-me que tínhamos de tocar, começámos, e há um velho que vem ter comigo e pergunta: ‘O que é isso? Onde é que aprendeste a tocar assim?’ Olhei para ele e disse: ‘Aprendi consigo’.” Era Luís Morais, e Carlos contou-lhe a história da cassete. “Depois fomos para o palco e tocámos a noite inteira. Mas antes ele disse para a Cesária [que estava lá, mas ainda não era muito conhecida]: ‘vamos tocar, que este fulano…’ E ela, com o seu ar, disse: ‘primeiro quero ouvir’. Ouviu, gostou e nunca mais saiu de lá.”

Encontro inédito em Lisboa

Por estes dias, Carlos Martins está também ligado à European Jazz Conference, que pela primeira vez decorre em Lisboa, de 13 a 16 de Setembro, no CCB e noutros espaços (Hot Clube, Ler Devagar, Capitólio). “A consciência da qualidade do jazz português nos últimos dez anos foi adquirida durante a Festa do Jazz. Mas Portugal continua a não ter apoios suficientes para o jazz ou salas específicas para se tocar. A única solução é a Europa, é integrar uma rede europeia de jazz.” A conferência surge na sequência deste esforço. “E temos a nosso favor duas coisas: a nossa vontade muito forte e a curiosidade dos outros. Agora temos a possibilidade, inédita na história do jazz português, de ter a primeira conferência europeia, e o primeiro encontro mundial, onde Lisboa fica no mapa como um sítio a visitar, uma cidade que produz grandes músicos e grandes artistas.”