“Quando se chega a uns oitavos-de-final tudo é possível”, diz treinador de João Sousa

Frederico Marques, treinador de João Sousa, está optimista.

João Sousa é o primeiro tenista português a chegar aos oitavos-de-final de um torneio do Grand Slam
Foto
João Sousa é o primeiro tenista português a chegar aos oitavos-de-final de um torneio do Grand Slam LUSA/COREY SIPKIN

Será cerca das 19 horas em Portugal (Eurosport 1) que João Sousa vai entrar no imponente Arthur Ashe Stadium para defrontar Novak Djokovic, em encontros dos oitavos-de-final do Open dos EUA. Será a quinta vez que o tenista nascido em Guimarães há 29 anos defronta o sérvio, detentor de 13 títulos do Grand Slam – e segunda no mesmo cenário nova-iorquino –, mas nunca nenhum tenista português esteve a lutar por um lugar nos quartos-de-final de um torneio do Grand Slam. Um facto que deixa optimista o treinador de Sousa.

“Quando se chega a uns oitavos-de-final tudo é possível. Significa que temos nível e que já foram dados três passos importantes. Vamos pensar set a set e ver até onde é que o nosso ténis nos leva. Acredito num encontro competitivo e teremos certamente hipóteses de liderar uma grande parte dos pontos e, com isso, o marcador, se jogarmos de maneira inteligente”, adianta Frederico Marques.

Treinador de João Sousa desde 2011, Marques conhece bem os pontos forte de Djokovic, um dos melhores tenistas do mundo, detentor de 13 títulos do Grand Slam – incluindo dois em Nova Iorque (2011 e 2015) e o último, há seis semanas, em Wimbledon.

“Vamos ter pela frente um adversário muito completo, um dos jogadores que melhor responde ao serviço, se não mesmo, o melhor. Um adversário que defende muito bem e tira muito tempo ao adversário, jogando perto da linha de fundo do campo, um adversário difícil de tirar da sua zona de conforto. Vamos trabalhar durante o dia de hoje [ontem], tacticamente, para impor o nosso ténis e dificultar da maior maneira possível o ténis do Novak”, garantiu Marques.