Opinião

Há um monstro em Lisboa e não é o Adamastor

O caso do miradouro do Adamastor é sintomático do desnorte que vinga em Lisboa.
Foto
daniel rocha

Vamos falar a sério. Lisboa, como qualquer outra cidade, não é de todos. Haverá sempre exclusões. Por contingências várias, a maior parte socioeconómicas, como aconteceu com os meus pais nos anos 1970 compelidos para a periferia, mas também simbólicas. É ilusório pensar que existem espaços, especialmente privados, mas também públicos, que originem sentimentos de pertença em todos da mesma forma. Dito isto, exige-se que a cidade seja o mais democrática possível. De todos, para todos e com todos. Não é uma questão afectiva ou humanista. É política.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Assumir que uma cidade é feita de tensões latentes, equilíbrios precários e conflitualidades, não deve ser ponto de chegada, mas de partida de qualquer discussão pública. E isso deveria estar ainda mais presente em períodos de mudança acelerada como a que se sente em Lisboa, até porque a velocidade dos acontecimentos é um factor novo. Favorece a confusão. E conduz à divisão de quem decide, entre cavalgar a onda, com receio que ela passe, e contribuir com resoluções que desfazem a onda.

Hoje Lisboa parece perdida, sem tempo para se adaptar, e os equilíbrios, sempre frágeis, postos em causa. Nas últimas semanas tem-se falado de um caso paradigmático. A intervenção da câmara no miradouro do bairro de Santa Catarina (conhecido por Adamastor), que ali colocou uma vedação que limita o acesso ao espaço público, argumentando com o excesso de pessoas, o ruído, a manutenção — pretende-se que a higiene e a segurança passem a ser competência de privados que virão a explorar um espaço comercial — e a criação de um “melhor ambiente urbano”.

Vivo na zona há 20 anos. Assisti a diversas metamorfoses, mas as características mantêm-se. É ponto de encontro. Reina a informalidade. O sentido popular. As sociabilidades transitórias. Uma coexistência, até certo ponto, interclassista, intercultural e intergeracional. E uma certa aura de transgressão, dentro de limites, apesar de tudo, toleráveis. E há também lógicas que tendem a conflituar em momentos de saturação: entre actividades diurnas e nocturnas, residentes e frequentadores, moradores tradicionais e novos, comércio tradicional e novas actividades, capital local e global, interesses privados e bem comum, entre quem especula e quem tenta sobreviver e, de há meses para cá, um hotel de luxo ao lado do miradouro, que, tal como o restaurante-esplanada do Museu da Farmácia, acabam por atrair uma clientela de turistas mais sofisticada.

Todo este complexo ecossistema foi, apesar de tudo, capaz de manter alguma estabilidade ao longo dos anos. É verdade que nos últimos tempos há mais pessoas, ruído, tensão e pequenos traficantes na rua, o que gera incómodo. Nesse contexto, uma actuação pública para disciplinar o lugar é defensável. Não conheço quem esteja contra. A questão é como é que isso se faz de forma a não quebrar essas débeis concordâncias, olhando para o conjunto de interesses em jogo, e como se relacionam entre si. Qualquer actuação deveria ter em conta esse olhar transversal e ser feita com pinças, ouvindo desde logo entidades públicas e privadas, activistas, associações ou instituições culturais. Nitidamente nada disso aconteceu.

Com o pretexto de se ordenar o lugar, favorece-se o hotel, o consumo e capital global, os motivos económicos e comerciais que interessam apenas a alguns, ao mesmo tempo que se promove a estetização do espaço público para ir ao encontro de um determinado gosto, associado a um estilo de vida, do qual só usufrui quem detém capital. O lesado é o bem comum. É o interesse cívico. É a simetria e identidade da cidade.

E depois existem contradições lamentáveis, como a de se evocar o ruído, e semanas depois abrir, a dezenas de metros, em Santos, um terraço (rooftop) de entidade privada que é uma autêntica discoteca a céu aberto até às duas da manhã. Sintoma do que aí vem. A delimitação de zonas tendo em vista um tipo de actividade económica (já se percebeu, por exemplo, que a faixa junto ao rio, a partir do Cais do Sodré, vai ser liberalizada para actividades nocturnas). Ora a aposta devia ser a diversificação de vectores de desenvolvimento, porque nenhuma cidade pode depender apenas de uma só como o turismo, e a coexistência o mais possível entre esferas sociais, culturais e económicas diversas. Não é fácil? Não. Não há soluções mágicas. Mas o contrário disto é desistir das pessoas e são elas a cidade.

No caso do Adamastor, parte dos moradores defende a actuação da câmara. Vivem com a miragem da solução do pequeno tráfico e do melhor ambiente urbano. O que a maior parte não está a entender é que também está a ser excluída. Não só porque se vai confrontar com um muro (sim, não é apenas Trump) que põe em causa a utilização do espaço público, mas porque também não acederá às lógicas, aos consumos, nem ao estilo de vida a eles associados, que estão ali a ser equacionados. Um dia dará por si a ser figurante de uma cidade que já não é a sua.

Há um monstro à solta em Lisboa mas não é o Adamastor. É o capital pelo capital. É o poder do estatuto social. É a acção pública casuística. E são interesses privados incapazes de ver o colectivo, o qual também integram e de que dependem. As cidades medievais eram balizadas por muralhas. Dessa forma criava-se a ilusão de que era possível delimitar caos e ordem. Voltámos a esses tempos. Fica-se recluso de uma vaga ideia de segurança e com isso, paradoxalmente, divide-se e exclui-se, sem perceber que em Lisboa, Portugal, e no mundo é assim que se agudizam os problemas.

É verdade. Não há cidades sem exclusões. Mas a fantasia de muita gente, a de viver em lugares como se fossem um produto, feitos por encomenda, rasurados e sem tensões, também não existe. As cidades são lugares repletos de desconhecidos, de origens, classes e opções de vida diversas, obrigados a coabitar. É a partir dessa noção que é possível torná-las mais coesas e inclusivas, criando condições para que as pessoas, em períodos de mudança, se convertam em agentes da mesma, em vez de serem só receptores passivos, ou pior, vítimas dessas mesmas transformações.