Mercado de transferências

Jackson e Coentrão animam dia na nova era dos empréstimos

FC Porto abriu as hostilidades com o monegasco Jorge e o internacional holandês Bazoer, mas foram o Portimonense e o Rio Ave que agitaram o encerramento tímido da janela de mercado em 2018.
Foto
REUTERS/Rafael Marchant

Encerrou de forma algo inesperada, com Fábio Coentrão e Jackson Martínez como maiores surpresas, a janela de transferências em Portugal e na maioria dos mercados europeus. Com os maiores investimentos assumidos na fase inicial, confirmou-se uma tendência crescente para os empréstimos (com e sem opção de compra) em detrimento das aquisições milionárias de outros anos.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Longe da vertigem dos números atingidos pela mudança de Cristiano Ronaldo para Turim, os clubes contrariaram a tradicional histeria das últimas horas, evitando inscrições falhadas em cima do fecho do primeiro período de contratações e vendas, antes da reabertura dos mercados de Inverno, em Janeiro.

Em Portugal, coube ao FC Porto assumir o comando das operações, antecipando-se à concorrência com a oficialização do defesa esquerdo internacional brasileiro Jorge (por empréstimo do Mónaco) e reforçando a aposta com o anúncio do médio internacional holandês Riechedly Bazoer, proveniente dos alemães do Wolfsburgo, igualmente por empréstimo. Os “dragões” aproveitaram ainda o último dia para cederem o médio nigeriano Mikel Agu ao V. Setúbal, colocando também o lateral suíço Saidy Janko, reforço “abortado” prematuramente, na II divisão inglesa, numa cedência de uma época ao Nottingham Forest. Os “azuis e brancos” inscreveram ainda o espanhol Alberto Bueno.

Apesar de ter assumido as rédeas, o FC Porto perdeu em matéria de protagonismo para o Rio Ave e Portimonense: os vila-condenses anunciaram o regresso de Fábio Coentrão, dez anos depois de ter iniciado uma ascensão meteórica que o levou do Benfica ao Real Madrid. Já o emblema algarvio, que apresentou seis caras novas em cerimónia oficial, acabou mesmo por concitar todas as atenções em torno da oficialização do internacional colombiano Jackson Martínez, cuja confirmação foi sendo adiada até à publicação da lista oficial das 21 horas da Liga Portuguesa de Futebol Profissional.

Jackson chega ao Algarve por empréstimo dos chineses do Guangzhou Evergrande, embora só esteja disponível a partir próxima semana. O internacional colombiano que brilhou no FC Porto de 2012 a 2015 e depois se transferiu para o Atlético de Madrid está afastado da competição desde 2016, a recuperar de lesão no tornozelo.

De volta a Vila do Conde, referência para o comunicado emitido pelo Real Madrid, a revelar que o clube “merengue” acordou a rescisão amigável com o internacional português. Coentrão acabaria por protagonizar uma das maiores surpresas do dia e provocar uma intervenção de Bruno de Carvalho para criticar os responsáveis do Sporting por deixarem o lateral escapar para o Rio Ave.

Do lado do Benfica, a novidade foi a renovação com Gedson Fernandes até 2023. Uma decisão coerente com as declarações do presidente, Luís Filipe Vieira, que já tinha passado a mensagem de que nenhum dos promovidos da academia seria vendido neste defeso. E o médio português tem sido claramente um dos destaques da equipa de Rui Vitória, que acabou por inscrever o criativo marroquino Adel Taarabt.

Também o Sporting sentiu necessidade de resolver algumas questões pendentes: desde logo o empréstimo de Matheus Pereira aos alemães do Nuremberga. “Só digo que os três jogadores da formação que saíram [Matheus Pereira, Geraldes e Palhinha] quiseram muito sair; o Miguel Luís, o Elves Baldé e o Thierry Correia quiseram muito ficar”, resumiu ontem o treinador, José Peseiro.

Já o actual líder isolado da Liga, o Sp. Braga, vai beneficiar esta época do empréstimo do extremo avançado Tiago Dias, vinculado ao AC Milan. O internacional português pelos escalões jovens, que dividiu a formação entre Sporting e Benfica, poderá assim estrear-se no principal campeonato nacional.