O inesquecível Verão de Lesia Tsurenko

Sousa discute com Pouille um inédito lugar nos oitavos-de-final do Open dos EUA.

Foto
LUSA/JASON SZENES

O Open dos EUA feminino vai sendo decapitado a cada ronda que passa. Depois de Simona Halep, líder do ranking, ser afastada no primeiro dia, foi agora a vez de a segunda cabeça de série, Caroline Wozniacki, ser eliminada no mesmo Louis Armstrong Stadium. O renovado court ficará na memória de Lesia Tsurenko, a ucraniana que se dá bem nos hardcourts da América do Norte, onde obteve as sete vitórias sobre adversárias do top 10: cinco em 2015 e duas este Verão. Nada mau para uma jogadora que nunca passou do 29.º lugar do ranking.

Depois de Cincinnati, onde chegou aos quartos-de-final e venceu Garbiñe Muguruza, a ucraniana viajou de imediato para Nova Iorque, onde começou a adaptar-se aos courts de Flushing Meadows, e isso notou-se na vitória, por 6-4, 6-2, sobre a campeã do Open da Austrália. E nem o tráfego nova-iorquino, que não lhe permitiu aquecer no Louis Armstrong Stadium por mais de 15 minutos, a perturbou.

“Penso que a minha vitória sobre Muguruza me deu a confiança para jogar bem. Cheguei aqui cedo, preparei-me bem, tive muitas sessões com o meu treinador a disputar pontos com outras jogadoras. Estava completamente pronta para este torneio”, confirmou Tsurenko (36.ª), autora de 20 winners e 38 erros não forçados, incluindo sete duplas-faltas.

Um dia depois de ultrapassar o semifinalista do ano passado, Pablo Carreño Busta – devido a uma lesão no adutor, segundo a imprensa espanhola –, Sousa e Leonardo Mayer foram eliminados da prova de pares, pelo croata Nikola Maktic e o austríaco Jurgen Melzer, que venceram, com um duplo 6-3.

No sábado, Sousa (68.º) vai tentar uma inédita presença nos oitavos-de-final de um Grand Slam, no embate com o número um francês Lucas Pouille (17.º), que se estreia nesta fase do Open dos EUA, após afastar Marcos Baghdatis (93.º), por 6-7 (4/7), 6-4, 6-4 e 6-3. Será o segundo duelo entre ambos, depois de o vimaranense ter vencidonum challenger, em 2013.

Na quinta-feira, Novak Djokovic voltou a ceder um set, diante de Tennys Sandgren, que salvou um match-point nessa partida (a 4-5), antes de dominar o tie-break. Mas o campeão de Wimbledon acabaria por fechar o encontro, com os parciais de 6-1, 6-3, 6-7 (2/7) e 6-2, indo agora defrontar Richard Gasquet (25.º).

Outro encontro da terceira ronda muito aguardado, irá opôr Roger Federer (2.º) a Nick Kyrgios (30.º). O pentacampeão do Open venceu Benoit Paire (56.º), por 7-5, 6-4 e 6-4, enquanto o australiano eliminou outro francês, Pierre-Hugues Herbert (75.º), por 4-6, 7-6 (8/6), 6-3 e 6-0. Este encontro ficou marcado por um momento insólito, quando, a 4-6, 0-3, o árbitro Mohamed Lahyani desceu da cadeira para avisar Kyrgios que poderia ser multado por falta de empenho. A duração da conversa e as palavras usadas foram interpretadas mais como uma conversa de motivação por parte de um treinador, mas a organização do torneio já veio validar a acção do árbitro.

De fora de prova, ficou Gael Monfils (39.º), que estava a protagonizar um enorme espectáculo juntamente com Kei Nishikori (19.º), mas teve de retirar-se lesionado no pulso, quando o japonês liderava por 6-2, 5-4.