Atletismo

Christian Coleman brilha de novo na velocidade

Liga de Diamante chegou ao fim em Bruxelas, onde Pichardo se impôs no concurso do triplo salto.
Foto
LUSA/JULIEN WARNAND

Terminou nesta sexta-feira à noite, com o Memorial Van Damme, no Estádio Rei Balduíno de Bruxelas, mais uma edição da Liga de Diamante do atletismo, com a velocidade masculina de novo no centro das atenções, como já havia acontecido na véspera, em Zurique.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Com efeito, o resultado mais marcante da reunião verificou-se nos 100m, onde o americano Christian Coleman parece ter encontrado, quando já não se contava com tanto, a inspiração que lhe permitiu durante o Inverno pulverizar o recorde mundial dos 60m. Coleman dominou a prova do tiro de largada até final - ele é um excelente partidor - e bateu claramente o seu recorde pessoal, com 9,79s, melhor marca do ano, adiante do seu compatriota Ronnie Baker (9,93s) e do jamaicano Yohan Blake (9,94s). Coleman tornou-se, assim, apenas no oitavo homem a fazer menos de 9,80s no hectómetro.

A outra grande prova foi a de 5000m masculinos e há muito que não se via uma corrida assim. Os etíopes deram verdadeiro festival e Selemon Barega impôs-se com 12m43,02s, o tempo mais rápido no mundo desde 1 de Julho de 2005, passando a ser o quarto melhor de todos os tempos. No segundo lugar, Hagos Gebrhiwet, com 12m45,82s, passou a ser o quinto de sempre e Yomif Kejelcha, em terceiro, com 12m46,79s, colocou-se já também no top 10 global. O mais incrível de tudo é que Barega, nascido a 20 de Janeiro de 2000, cumpre apenas o seu primeiro ano como júnior.

Numa perspectiva mais portuguesa, a prova masculina do triplo salto tinha um atractivo especial, com a presença do recém-coroado campeão europeu Nelson Évora, que reencontrava o cubano, em oito meses naturalizado português, Pedro Pablo Pichardo.  Este dominou o concurso, chegando a 17,49m no quarto salto, o que lhe permitiu vencer o campeão olímpico, o americano Christian Taylor, que chegou a 17,31m. Nelson Évora abriu a sua prova com dois nulos e o melhor que alcançou foi 15,86m, acabando for ficar em oitavo e último.

Nesta reunião belga também se verificou uma raríssima, e primeira da época, derrota da discóbola croata Sandra Perkovic. Algo que se adivinhava desde os Europeus, quando tremeu de maneira raramente vista. Sandra lançou 64,31m e foi superada pela cubana Yaimé Pérez (65,00m) e pela recordista brasileira Andressa de Morais (64,65m).

Ainda muito forte em final de época mostrou-se, nos 400m, Salwa Eid Naser, do Bahrein. Venceu largamente com 49,33s, segundo tempo da sua carreira, boa parte da elite americana (seis em prova), liderada pela campeã mundial Phillys Francis, distante segunda, com 50,51s.

Num pódio todo queniano, os 3000m obstáculos femininos proporcionaram à nova recordista mundial, Beatrice Chepkoech, o também segundo melhor resultado do seu historial, com 8m55,10s, enquanto em segundo lugar Norah Jeruto se tornava na novidade abaixo dos nove minutos, com 8m59,62s.