Astronautas da ISS reparam fissura milimétrica numa nave russa

Micrometeorito terá atingido nave russa que está acoplada à Estação Espacial Internacional. Fissura foi tapada com fita adesiva resistente ao calor.

Foto
A Estação Espacial Internacional Reuters/NASA

O grupo de seis astronautas que está a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS, sigla em inglês) detectou na quinta-feira uma quebra de pressão na cabine da estação. A causa: uma fissura de dois milímetros na nave russa Soyuz que terá sido causada pelo impacto de um micrometeorito. Ao fim do dia o problema já tinha sido ultrapassado com a ajuda de uma fita adesiva resistente ao calor.

Inicialmente, Alexander Gerst, astronauta alemão que faz parte da 56ª expedição da missão da ISS, tapou a pequena fissura com o polegar, contou a BBC News. Mas para resolver a situação, a equipa de astronautas colocou, provisoriamente, fita adesiva resistente ao calor e, depois, utilizou um selante e gaze como solução para tapar o pequeno buraco. O trabalho foi feito pelo comandante da Soyuz, Sergey Prokopyev, cosmonauta da agência espacial russa Roscosmos.

O buraco milimétrico terá sido causado pelo impacto de um micrometeorito, dizem os cientistas.

“A tripulação nunca esteve em perigo, e foi informada de que nenhuma tarefa adicional estava prevista para o resto do dia”, sublinha a NASA, no site onde publica as actualizações sobre a actividade na ISS. Às 20h27 de quinta-feira a situação já estava estável, declarou a NASA na sua conta do Twitter: “A pressão na cabine da Estação Espacial Internacional está estável depois das reparações feitas na nave russa Soyuz que levaram a uma quebra de pressão.”

Há seis tripulantes a bordo da Estação Espacial Internacional. Os astronautas da Nasa, Drew Feustel, Ricky Arnold e Serena Auñón-Chanceler, o astronauta da Agência Espacial Europeia, Alexander Gerst, e dois cosmonautas russos — Oleg Artemyev e Sergei Prokopyev.