Coreia do Sul vai banir venda de café nas escolas

Esta é mais uma medida de uma extensa campanha, criada para desencorajar o consumo de comidas e bebidas com alto teor calórico ou cafeína. No início do ano, o Governo também restringiu a venda de bebidas energéticas em escolas.

Foto
Guilherme Marques

A partir de meados de Setembro, será proibido vender café nas escolas primárias e secundárias da Coreia do Sul. O objectivo do Governo sul-coreano é promover hábitos de vida mais saudáveis para alunos e professores — mas esta proibição surge na sequência de várias notícias sobre estudantes que começaram a sofrer de palpitações depois de beber café.

“Vamos assegurar-nos de que o café será banido das escolas sem falha”, disse um responsável do Governo, citado pelo Korea Times. “A legislação irá tentar criar hábitos alimentares mais saudáveis entre crianças e adolescentes”, continuou.

Esta é apenas mais uma medida de uma extensa campanha, criada para desencorajar o consumo de comidas e bebidas com alto teor calórico ou cafeína. No início do ano, o Governo restringiu a venda de bebidas energéticas em escolas. Também os anúncios de televisão de comida rápida, snacks açucarados e bebidas com grande percentagem de cafeína foram proibidos nos horários em que as crianças mais vêem televisão.

A proibição do café nas escolas sul-coreanas segue-se, também, a uma catadupa de notícias que davam conta de alunos com palpitações depois de beber café. As autoridades de saúde citaram ainda sintomas como tonturas, aumento dos batimentos cardíacos, dificuldades no sono e nervosismo.

Muitos estudantes sul-coreanos consomem café ou bebidas energéticas, empurrados pela cultura de excelência promovida pelo sistema de educação sul-coreano.

Os sul-coreanos bebem em média 181 copos de café por ano – são os maiores consumidores da Ásia, de acordo com um estudo de mercado da empresa Euromonitor. No Reino Unido, os britânicos ficam-se apenas pelos 151 cafés.

jornal britânico Guardian ilustra que, no fim de 2016, a capital da Coreia do Sul, Seul, tinha mais de 18 mil cafetarias abertas.