Os últimos adeuses a Aretha Franklin (e aos seus sapatos vermelhos) mobilizam Detroit

As cerimónias fúnebres da Rainha da Soul já começaram e continuam até sexta-feira. O funeral privado, mas com transmissão em directo, terá Chaka Khan, Stevie Wonder ou Jennifer Hudson a homenagear o ícone da música norte-americana que morreu a 16 de Agosto.

Fotogaleria
MIKE SEGAR/REUTERS
Fotogaleria
O reverendo Jesse Jackson Reuters/REBECCA COOK
Fotogaleria
Reuters/REBECCA COOK
Fotogaleria
Reuters/MIKE SEGAR
Fotogaleria
Reuters/REBECCA COOK
Fotogaleria
LUSA/TANNEN MAURY
Fotogaleria
LUSA/RENA LAVERTY
Fotogaleria
Reuters/MIKE SEGAR
Fotogaleria
Reuters/MIKE SEGAR
Fotogaleria
LUSA/PAUL SANCYA / POOL

Será na próxima sexta-feira, dia 31, às 10h da manhã locais (15h em Portugal), que o funeral de Aretha Franklin em Detroit, no Michigan, finalmente terá lugar. A cantora será enterrada numa cidade em que não nasceu, mas à qual tinha uma enorme e fortíssima ligação: vinda de Memphis, no Tennessee, foi em Detroit que começou, ainda criança, a cantar na New Bethel, a igreja baptista de que o pai era um carismático pastor. Foi também lá que acabou por morrer no passado dia 16 de Agosto, aos 76 anos, vítima de cancro no pâncreas.

Cumprido um primeiro serviço fúnebre a 19 de Agosto, o corpo da cantora – vestido de vermelho, e com uns saltos altos que ficarão como um inusitado, e inconfundível, testamento – está desde esta terça-feira em câmara ardente no museu Charles H. Wright de História Afro-Americana, que recebeu uma cerimónia semelhante em 2005, aquando da morte da pioneira dos direitos civis Rosa Parks (a voz de Aretha Franklin foi aliás a banda-sonora dessa cerimónia fúnebre). É lá que ficará até ao final de quarta-feira, recebendo a homenagem dos fãs que começaram a fazer fila mesmo antes de as portas se abrirem para receber o seu caixão dourado. No dia seguinte, o corpo seguirá para a igreja de New Bethel, a mesma em que a carreira da cantora começou, e onde a entrada será mais restrita do que no museu. Nessa mesma noite, o Chene Park receberá um concerto de tributo a Aretha Franklin, dividido pelas várias fases e géneros musicais da sua carreira, no qual actuarão nomes que vão de Dee Dee Bridgewater e Raheem DeVaughn aos Four Tops, passando por Gladys Knight. Marcarão também presença, como oradores, a activista Angela Davis e Louis Farrakhan, o líder da Nation of Islam. Os seis mil bilhetes gratuitos esgotaram quase instantaneamente.

PÚBLICO -
Foto
PAUL SANCYA/VIA REUTERS

Ao contrário dos outros eventos, o funeral, que se realizará no templo Greater Grace, é privado, mas será transmitido ao vivo na Internet, via Associated Press, e nas estações de televisão de Detroit. A CNN transmitirá alguns excertos – e se isso parece pouco, é preciso lembrar que há numerosos convidados e a estimativa dos responsáveis é de que o evento dure sete horas. Antes do início da cerimónia, às 8h30 locais –13h30 em Portugal –, esperam-se que estacionem em frente à igreja mais de cem Cadillacs cor-de-rosa, o icónico carro de fabrico local sobre o qual Aretha cantou em Freeway of Love, de Who’s Zoomin’ Who?, álbum de 1985.

PÚBLICO -
Foto
MIKE SEGAR/REUTERS

Será uma cerimónia com muita música e recheada de vozeirões. Entre outros ainda por anunciar, ouvir-se-á um rol de ilustres que vai de Chaka Khan (que cantou nos Rufus e depois embarcou numa bem-sucedida carreira a solo, tendo sido muitas vezes comparada a Aretha, a quem já prestou homenagem várias vezes) a Stevie Wonder, o co-autor de Until you come back to me (That’s what I’m gonna do), que foi uma das últimas pessoas a visitá-la antes de morrer (e com o qual Aretha tinha voltado a trabalhar num álbum anunciado em Junho do ano passado que acabou por não sair), ou Ron Isley, a voz principal dos Isley Brothers, que juntou a sua voz à de Aretha num dueto em 2006.

Também marcarão presença artistas mais novas, como Jennifer Hudson, que foi finalista de American Idol, ganhou um Óscar e um Globo de Ouro por Dreamgirls – Jennifer Holliday, que fez o mesmo papel no musical original da Broadway, também vai cantar – e que em Janeiro foi anunciada como protagonista de um biopic de Aretha, com aprovação da própria. Fantasia (Monique Barrino-Taylor), que ganhou a mesma edição de American Idol em que Hudson competiu, ou Faith Hill, um dos maiores nomes do universo country, e que também gravou um dueto com a Rainha da Soul em 2006, são outras presenças confirmadas. Além desses nomes, haverá igualmente uma lembrança da herança gospel da cantora, com Yolanda Adams, Marvin Sapp, Shirley Caesar, Vanessa Bell Armstrong, as Clark Sisters e Tasha Cobbs-Leonard, bem como uma participação de Edward Franklin, que, como o apelido indica, é filho de Aretha.

Os discursos ficarão a cargo de Clive Davis, o produtor que fundou a Arista Records, do ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton, em cuja cerimónia de tomada de posse Aretha actuou, do cantor Smokey Robinson, o co-autor e intérprete de The tears of a clown que foi vizinho de Aretha Franklin durante a infância em Detroit e cantou com ela no programa de televisão Soul Train, dos políticos Rick Snyder, governador do Michigan, e Mike Duggan, presidente da câmara de Detroit, do procurador-geral dos Estados Unidos Eric Holder e do reverendo e activista dos direitos civis Jesse Jackson. Mas estes são apenas os nomes confirmados, esperando-se muitos mais.

Por fim, quando todas as homenagens tiverem terminado, Aretha Franklin será enterrada no cemitério de Woodlawn, onde está sepultada parte da família de uma das vozes mais icónicas de sempre da música americana.