Ilustrarte

Olhar para o boneco em Castelo Branco

As 150 ilustrações seleccionadas entre os trabalhos de 3 mil artistas de 105 países vão continuar expostas no Centro de Cultura Contemporânea. Até dia 7 de Outubro, é tempo de olhar para o boneco. E fruir.

Foto
Pássaros Provocadores à Solta na Varanda Joana Rosa Bragança

Logo à entrada da exposição, os trabalhos de Yuxing Li, a vencedora da Bienal Internacional de Ilustração para a Infância 2018, convidam à preguiça. As imagens ilustram o livro Hoje Estou Livre. Um elogio ao nada fazer e à importância do tempo livre, como explica a ilustradora sino-alemã: “Quis coleccionar momentos confortáveis e de repouso, para criar sentimentos de calma e relaxamento.” Conseguiu.

Seguem-se as ilustrações distinguidas com menções especiais. Os desenhos a grafite do mexicano David Álvarez transmitem emoções completamente diferentes, inquietantes até, em A História Que nos Contaram. A espanhola Cinta Arribas, com colagens de papéis coloridos, traz algum humor ao explorar o tema A Mudança. Por último, a menção especial da portuguesa Carolina Celas remete-nos para a passagem do tempo, criando uma sucessão de imagens (em lápis de cor, de cera e marcador) a que chamou Instante.

Nas salas seguintes do Centro de Cultura Contemporânea de Castelo Branco pode continuar a ver-se o que de melhor se faz em ilustração pelo mundo. Do México ao Japão, dos EUA à Austrália, da China ao Irão, “a selecção oferece uma vez mais um magnífico panorama da ilustração contemporânea internacional. Uma variada mistura de estilos, técnicas e temas, de ilustradores e debutantes, oriundos dos quatro cantos do mundo”, nas palavras dos comissários Ju Godinho e Eduardo Filipe.

PÚBLICO -
Foto
Não Fazer Nada Yuxing Li (vencedora)

Itália foi o país com mais participantes, seguindo-se França e Espanha. Neste ano, vieram muitos trabalhos do Irão e da Síria. Entre a participação portuguesa, figuram na mostra as ilustrações de Fátima Afonso, Inês Machado, Joana Rosa Bragança, Jaime Ferraz e Mantraste. Também o canadiano Pierre Pratt, que escolheu viver em Portugal, foi seleccionado.

O projecto expositivo, assinado pelos arquitectos Pedro Cabrito e Isabel Dinis, inspirou-se nas palavras do escultor Alberto Carneiro “o desenho é uma escrita do corpo”. Assim, criaram “uma linha de histórias”, materializada em tubos coloridos que unem as várias ilustrações e passam de umas salas para as outras.

Esta linha, descrevem no catálogo, “não se esclarece de onde vem nem para onde vai, sabe-se apenas que atravessa paredes e muda de cor, preenchendo as salas brancas do museu com os seus novelos cheios de vida, histórias preciosas sem princípio nem fim”.

Tendo como ponto de partida a Ilustrarte, a Câmara de Castelo Branco e a Rede de Bibliotecas Escolares promovem o concurso ibérico Três Imagens... Quantas Emoções?, convidando alunos, portugueses e espanhóis (do 1.º ciclo ao ensino superior), a visitarem a exposição e a criarem, até 17 de Setembro, trabalhos escritos ou multimédia sobre o que viram. Boa ideia.

PÚBLICO - <i>Nós</i>
Nós David Álvarez (menção especial)
PÚBLICO - <i>Mudança 3</i>
Mudança 3 Cinta Arribas (menção especial)
PÚBLICO - <i>Um Segundo</i>
Um Segundo Carolina Celas (menção especial)
PÚBLICO - <i>Sonhos com Asas</i>
Sonhos com Asas Fátima Afonso
PÚBLICO - <i>Todas as Andorinhas São Turistas</i>
Todas as Andorinhas São Turistas Mantraste
PÚBLICO - <i>Fundo do Mar</i>
Fundo do Mar Jaime Ferraz
PÚBLICO - <i>Soldados</i>
Soldados Inês Machado
Fotogaleria