Morreu Lindsay Kemp, o criador britânico que ensinou David Bowie a falar com o corpo

Actor, coreógrafo, mimo e professor, Lindsay Kemp levou a palco dezenas de espectáculos de dança, teatro, mímica e ópera em que, muitas vezes, o onírico e a transgressão se encontravam. Sem ele, Ziggy Stardust, a existir, seria certamente outra coisa.

Foto
Lindsay Kemp em 1969 Allan Warren

Actor, bailarino, coreógrafo, pintor, mimo e encenador são as palavras que Lindsay Kemp podia escrever ao preencher em qualquer formulário o campo destinado à profissão. Professor de David Bowie e Kate Bush, músicos a quem ensinou a dançar e a exteriorizar as emoções em palco, morreu na noite de sexta para sábado na sua casa em Livorno, Itália, noticiou a televisão pública Rai. Tinha 80 anos e continuava, como era seu hábito, envolvido em inúmeros projectos.

Nascido no Reino Unido em 1938, Kemp teve uma intensa carreira no teatro e na dança, mas não há obituário que lhe seja dedicado que não sublinhe a sua ligação a David Bowie e ao personagem que o músico criou em 1972, Ziggy Stardust, com roupa exuberante, cabelo vermelho e maquilhagem carregada.

Para muitos foi ao mimo inglês – que dirigiu os espectáculos da digressão de Ziggy Stardust na sua passagem pelo Rainbow Theatre de Londres, em 1972, e que chegou a partilhar o palco com o cantor ou a aparecer no vídeo promocional do seu I’m only dancing –? que Bowie foi buscar boa parte da inspiração para este seu alter ego que haveria de coincidir com um período particularmente criativo da sua carreira.

O sucesso com Jean Genet

Kemp estudou pintura e desenho na Escola de Arte de Bradford; dança com a companhia Rambert, ainda hoje em actividade, e com o coreógrafo alemão Sigurd Leeder; e mímica com o mítico Marcel Marceau. Começou a carreira em Londres, actuando em espaços marginais, e em meados da década de 1960 fundou a sua própria companhia, lançando-se numa primeira digressão internacional em 1973.

De início, os seus espectáculos foram considerados demasiado vanguardistas, lembra este domingo o diário espanhol El Mundo, o que não é de estranhar dada a estética por que sempre optou – figurinos arrojados ou até extravagantes, o rosto muitas vezes pintado de branco e com restante maquilhagem muito carregada (influência clara do universo da mímica, do kabuki e do butô) – e a forma como adaptou textos clássicos do teatro inglês, como Sonho de uma Noite de Verão, e outros seus contemporâneos.

Entre os seus trabalhos para palco contam-se Pierrot in Turquoise, Salome, Duende (de homenagem ao dramaturgo espanhol Federico García Lorca), Nijinski (em honra do bailarino e coreógrafo russo de origem polaca), Alice, Façade e Mr Punch's Pantomime. Para a companhia Rambert criou, entre outros, Parades Gone By. O seu espectáculo mais icónico é Flowers, feito a partir da obra Notre Dame des Fleurs, do polémico escritor e dramaturgo francês Jean Genet.

A estreia de Flowers, no começo dos anos 1970, foi um estrondoso sucesso. Nela se podiam encontrar já muitos dos elementos de transgressão poética que viriam a marcar o seu teatro, escreve o diário ABC. Criminosos, prostitutas, anjos e fantasias sexuais numa viagem absolutamente onírica. Segundo o jornal britânico The Guardian, David Bowie – que nos anos 60 se estreara com a companhia de Kemp em Pierrot in Turquoise, para o qual escreveu canções – foi dos que fez questão de se sentar na plateia, noite após noite.

Um encontro para sempre

Kemp e Bowie conheceram-se em 1966, quando o cantor assistiu a Clowns, um espectáculo sem grandes ambições, lembrou o criador ao Guardian em Janeiro de 2016, a propósito da morte do homem que deu voz e corpo a temas tão icónicos como Space oddity  e Heroes. “Foi amor à primeira vista. Ele perguntou-me se podia estudar comigo.” Uns dias depois, Bowie começou a fazer aulas com Kemp no centro de dança no Convent Garden.

“Ensinei-o a expressar-se e a comunicar através do seu corpo. Ensinei-o a dançar. Falei-lhe da importância do look – da maquilhagem, do figurino, do trabalho cénico, da técnica de performance. Dei-lhe livros para ler e imagens para ver. Falámos de kabuki, da vanguarda, do mundo dos musicais, que nos atraía. […] Ele era muito engraçado”, disse Kemp, lembrando que chegaram a conversar sobre a possibilidade de Bowie vir a interpretar o protagonista de Flowers. “Ele era um estudante de nota máxima. E apaixonou-se pelo lado boémio do meu mundo.”

PÚBLICO -
Foto
Figurino e botas de Ziggy Stardust (1972-73), na exposição de David Bowie no Victoria & Albert Masayoshi Sukita/Sukita David Bowie Archive

Lembrava ainda Kemp já depois da morte do cantor que Bowie fora sempre muito fácil de dirigir, tanto em Pierrot in Turquoise, como nos concertos londrinos de Ziggy Stardust. “Ele agradecia cada sugestão. Os ensaios [do espectáculo de Ziggy Stardust] foram um grande prazer: a nossa audiência eram Lou Reed, Iggy Pop e outros amigos apareciam com as suas garrafas de whisky.”

Lindsay Kemp, que segundo o El País era desde criança capaz de concentrar as atenções do público e que sempre demonstrou uma atracção pelo que se desviava da norma e um certo desrespeito pela autoridade, muitas vezes temperado pela sua criatividade (em adolescente foi expulso da Academia Naval ao ser descoberto a fazer de Salomé usando como figurino um fato de “sete véus” que tinha feito com papel higiénico), trocou o Reino Unido por Espanha e depois por Itália, onde agora vivia. Nos últimos anos trabalhou no Teatro Goldoni, onde foi professor e onde se envolveu em vários projectos de índole social.

Garantem os amigos que manteve, até ao fim, a mesma postura perante a vida e a mesma paixão pelos Ballets Russes, o kabuki, a ópera, o cinema mudo, os musicais, Genet, Lorca e o flamenco, paixão que o aproximou de artistas e cineastas como Rudolf Nureyev, Marcel Marceau, Joan Miró, Federico Fellini e, claro, David Bowie. Sem Kemp, Ziggy Stardust, a existir, seria certamente outra coisa.