Consumo

O "efeito Amazon" pode estar a pesar na inflação dos EUA

Um estudo comparou os preços praticados offline e online e concluiu que na maioria das vezes são idênticos. Esta dinâmica parece ser uma das causas dos baixos níveis de inflação nos Estados Unidos.
Foto
Uma das lojas físicas da Amazon nos EUA Jeffrey Dastin/Reuters

A Amazon e outros grandes retalhistas online estão a nivelar os preços praticados em lojas físicas – o que pode ter ajudado a manter a inflação baixa. As conclusões são retiradas de um estudo académico, levado a cabo pelo professor assistente da Universidade de Harvard Alberto Cavallo, apresentado neste sábado, numa conferência de banqueiros centrais, no Wyoming, nos Estados Unidos.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Como é que os preços online se traduzem para o offline? Alberto Cavallo foi o autor da primeira comparação do género em larga escala, usando os preços que recolheu dos sites de grandes retalhistas e em lojas físicas, como o americano Walmart. Entre 2014 e 2016, foram analisados dados de 56 grandes retalhistas, em dez países diferentes: Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, Alemanha, Japão, África do Sul, Reino Unido e Estados Unidos.

“Os dados foram usados para comparar nos níveis de preços, o comportamento das mudanças nos preços e a selecção de produtos disponíveis para venda nas lojas online e offline”, lê-se no estudo, publicado no site do projecto The Billion Prices Project. “A descoberta principal é que os níveis de preços online e offline são idênticos 72% das vezes”, conclui. Cavallo também descobriu que os preços mudam mais rapidamente: a duração média dos preços nos Estados Unidos caiu de 6,5 meses para 3,7 meses.

“Nos últimos dez anos, a competição aumentou a frequência das mudanças dos preços e o nível de uniformidade de preços entre as localizações”, disse o autor, citado pela agência Reuters, durante a apresentação do estudo.

Há pelo menos dois factores de peso que ajudam a explicar a redução na disparidade dos preços: os algoritmos e a maior transparência introduzida pela Internet. Afinal, os consumidores cada vez mais usam os preços que encontram na Internet como ferramenta de comparação. E, por isso, os retalhistas são obrigados a baixar preços para se manterem competitivos, mesmo que isso signifique uma margem de lucro mais reduzida.

A apresentação do estudo levou responsáveis da Reserva Federal a levantarem a possibilidade de que os níveis baixos de inflação registados nos Estados Unidos nos últimos anos, apesar da economia forte, possam dever-se em parte à capacidade de uniformização de preços de empresas como a Amazon. A inflação norte-americana está nos 2% pela primeira vez em seis anos, cumprindo os objectivos do banco central. Segundo a Reserva Federal, é improvável que o cenário registe alterações significativas – mesmo que a taxa de desemprego se mantenha nos 3,9%.

“Os custos de trabalho, a informação limitada e até os ‘custos de decisão’ (relacionados com a falta de cuidado e a capacidade limitada de processar dados) tenderão a desaparecer porque cada vez mais retalhistas usam algoritmos para tomar decisões sobre preços”, disse Cavallo na apresentação.

Por outro lado, “os preços de combustíveis, flutuações nas taxas de câmbio, e qualquer outra força que afecte os custos e que possa entrar nos algoritmos de preços usados por essas empresas” terão “um impacto mais rápido e maior nos preços do que no passado”, concluiu, citado pela Bloomberg.