Militantes do PS indecisos entre nova geringonça e maioria absoluta

Antes da chegada de Costa, em Caminha, a tarde foi marcada pelo protesto dos lesados do BES. De Norte a Sul, viajaram até ao Alto Minho vozes de apoio ao secretário-geral do PS, alguns mais adeptos da “geringonça” do que outros.

António Costa ao almoço, antes de discursar na Festa de Verão do PS
Fotogaleria
António Costa ao almoço, antes de discursar na Festa de Verão do PS LUSA/ABELO
Fotogaleria
O líder do PS em palco LUSA/ARMÉNIO BELO

“Há muitas arestas para limar. Talvez seja necessário recorrer a uma rebarbadora para as polir”. É assim que Catarina Duarte, 38 anos, que viajou de Barcelos até Caminha para participar na Festa de Verão do PS, descreve estes três anos de “geringonça”. Veio até ao Parque 25 de Abril para apoiar António Costa, líder do partido do qual é militante, na rentreé socialista que ficou marcada por algumas alfinetadas à direita e por algumas novidades relativamente ao orçamento de Estado para 2019.

Ao início da tarde, nas ruas deste concelho do Alto Minho liderado por Miguel Alves, também presidente da federação PS de Viana do Castelo, o ambiente não era muito diferente de outro fim-de-semana qualquer. O galego, a seguir ao português, continuava a ser a língua mais falada nas esplanadas da praça central que, como noutros dias, estava cheia de turistas.

É a poucos metros dali que se vão juntando os primeiros apoiantes, militantes do PS e curiosos para assistir a uma espécie de arraial minhoto pintado pelo folclore habitual. Antes de os ranchos entrarem no palco de onde mais tarde o secretário-geral do PS discursaria, o som que se ouvia estava longe de uma chula ou vira do Minho que algumas associações locais ali levaram.

Eram tachos, panelas e outros metais que, à entrada para o parque, serviam a um grupo de aproximadamente 50 lesados do papel comercial do GES vendido pelo BES, maioritariamente emigrados na França, Suíça e Espanha, para reclamarem pelo pagamento da dívida. Em Junho deste ano, ao fim de quatro anos de avanços e recuos, foi paga a primeira tranche a 96% dos lesados, de cerca de 30% do capital investido.

Não é isso que Fernando Silva, que está há 50 anos em Paris, quer. Exige que a dívida seja paga na íntegra. “Havia uma provisão de 1800 milhões de euros que serviu para pagar aos institucionais”, afirma, defendendo a reversão das provisões. O resto do grupo de manifestantes exige o mesmo. 

Mais tarde, quando António Costa iniciar o discurso, o grupo há-de tentar que o barulho se sobreponha, mas não conseguirá arrancar qualquer reacção.

Mais perto da arena improvisada para receber o primeiro-ministro, vão-se juntando os primeiros grupos de pessoas. “Pensava que ia ver aqui mais rosas”, ouve-se do palco. “Podiam ser de todas as cores, até vermelhinhas”, insiste-se.

Era de facto um jardim despido de rosas, mas com alguns adeptos da “geringonça” -todos socialistas. Um deles é Pedro Vila Pouca, 42 anos, de Caminha. Diz que pouco ou nada tem a apontar à união de esquerda. “Desde que este Governo tomou posse, a máquina começou a engrenar e os resultados foram aparecendo”, afirma. Por isso mesmo, entende que nas próximas legislativas, marcadas para Outubro do próximo ano, António Costa não deve procurar uma maioria absoluta. Apesar de ser militante do PS, defende um cenário onde não reine o “quero, posso e mando”. A solução ideal, entende, deve passar por um PS que continue a trabalhar em conjunto com a CDU e com o BE. “As maiorias não são boas”, sublinha.

Face à concorrência - Rui Rio no PSD e Pedro Santana Lopes na Aliança -, Pedro Vila Pouca adivinha uma estrada aberta para o PS renovar o mandato. Mais do que isso, prevê um resultado desastroso mais à direita. “Acredito que os votos vão dividir-se”, acrescenta.

Catarina Duarte não parece tão optimista e faz um balanço menos positivo da união à esquerda dos últimos três anos. Entende que deveria funcionar mais como “um tripé” e não tanto como “três flechas soltas e afiadas”. Por isso mesmo, não tem dúvidas: Costa devia fazer pontaria para a maioria absoluta, aproveitando a “falta de carisma” dos candidatos mais à direita.

A quem esses concorrentes não tiram o sono é a Lúcio Freitas, de 63 anos, vindo do Porto. Não os vê como uma ameaça - assim como Cristas diz que não olha para Santana como uma ameaça. Ainda assim, vê em Rui Rio um candidato mais forte. Já Santana Lopes não o preocupa: “Nunca cumpriu nada até ao fim”.