Opinião

O misterioso interesse do Cetelem pelos manuais escolares

O que explica o interesse tão especial que o Observador Cetelem tem pelos livros escolares? E porque é que os seus inquéritos concluem que os portugueses “preferem” comprar manuais novos?

Uma das minhas rotinas de Agosto é ler o relatório do Observador Cetelem sobre o regresso às aulas. São poucas as instituições que conseguem passar com tanta eficácia uma imagem tão distorcida sobre os manuais escolares, sob uma capa tão falsamente desinteressada e há tantos anos seguidos. Se houvesse um concurso, o Cetelem ganhava.

O relatório deste ano faz a clássica sondagem a 600 pessoas e, sobre os manuais — um mercado de milhões — tira duas conclusões: em Portugal só 8% dos pais “manifesta interesse na alternativa” dada pelo governo de receber os manuais gratuitamente e “97% refere preferir adquirir livros novos”.

Não se percebe como é que o Observador Cetelem aqui chegou. Os problemas são muitos e começam logo na formulação da pergunta: “Costuma comprar livros novos, em 2.ª mão ou pede emprestado?” Com uma pergunta assim, o entrevistado fica inclinado a responder a uma destas três opções. Sobretudo porque, estando ao telefone e não a ler um formulário, não sabe que há afinal mais uma hipótese: “São fornecidos pelo ministério”. Nas sondagens sérias, as perguntas incluem todas as opções.

Segundo problema: a maioria das 600 pessoas entrevistadas não tem filhos em idade escolar. Este ano, só há 210 pais nessa categoria (e não é sequer definido “idade escolar”).

Terceiro problema: não sabemos a idade dos filhos destes 210 pais, ou seja, se estão abrangidos pela política de gratuitidade e reutilização. Isso é decisivo para interpretar os resultados. Se por hipótese improvável todos os filhos estivessem acima do 6.º ano, nenhum estaria abrangido pela nova política, pelo que a opção “são fornecidos pelo ministério” não se aplicaria de todo. Nada disso inibe o Cetelem de fazer uma leitura política: “Não deixamos de notar que esta iniciativa do Governo [gratuitidade] parece ter ainda uma baixa adesão.”

Quarto problema: o inquérito não pergunta se os pais “preferem” comprar manuais novos. Pergunta, sim, como os “costuma comprar”. Pede um comportamento, não uma preferência. Os inquiridos não são confrontados com um dilema.

Quinto problema: a equipa do Cetelem não terá reparado que a realidade é o oposto. A adesão à nova política dos manuais é alta, não baixa. Desde que há gratuidade (em 2016 para alunos do 1.º ano e em 2017 para todo o 1.º ciclo), mais de 90% das famílias optaram por receber os manuais oferecidos pelo ministério da Educação.

Por tudo isto é fascinante ver como, ano após ano, o Observador Cetelem dedica tempo e dinheiro a este tema. O que explica este interesse tão especial pelos manuais e por que é que os seus inquéritos concluem que os portugueses “preferem” comprar livros novos?

Simples: o Cetelem é um antigo banco francês que se transformou numa empresa de crédito que hoje é uma marca do banco BNP Paribas Personal Finance, especializado na concessão de crédito ao consumo. Em 2017, o banco emprestou 1536 milhões de euros e é algures neste bolo que estão as campanhas de empréstimo que faz para a compra de… exacto: manuais escolares.

Este ano, o Cetelem tem pelo menos duas campanhas de crédito para compra de manuais em parceria com a Wook, a plataforma digital de venda de livros que pertence à Porto Editora, que por sua vez é “dona” de uma fatia gigante do mercado dos manuais. Uma campanha chama-se “Ganhe 5€ e descontos imediatos na compra de livros escolares na Wook”, o que permite aos clientes Cetelem ganharem cinco euros se comprarem manuais no valor de pelo menos 40 euros. A outra, que está no site da Wook, é de empréstimo puro e duro (“a Wook, em parceria com o Cetelem, disponibiliza a solução de reembolso 3 x sem juros para compras de 60€ a 1.500€. Ex: para 300€, pago em 3 mensalidades de 100€, TAN 0%, TAEG 0%”).

A próxima vez que a Universidade Católica do Porto - Business School fizer um estudo sobre os Impactos de uma política de gratuitidade e reutilização dos manuais escolares (como o de Setembro de 2016 feito para a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros) poderá, pelo menos, procurar estudos com mais face validity.

Um estudo sobre manuais feito por uma empresa de crédito que ajuda os pais a comprarem manuais na loja online de uma editora de manuais tem a mesma seriedade que teria um estudo feito por um vegetariano sobre as vantagens de comer carne.