“Temos que aprender a consumir menos água”

O que mais determinará a água do futuro sustentável é “governos com coragem para reflectir a realidade dos custos do serviço e conscientes dos direitos dos mais vulneráveis”. Antevisão é de Catarina de Albuquerque, presidente da parceria da ONU “Saneamento e Água para Todos”, com uma volta ao mundo. Na primeira pessoa.

Foto
Daniel Rocha

Ao quererem ganhar eleições, os políticos de muitos países não têm coragem de olhar para alguns temas de forma séria, como as tarifas da água. Mantêm os preços muito baixos, até de graça em alguns sítios. Já vi por cá candidatos a prometer água gratuita. É um erro tão grande, porque a tarifa da água tem de reflectir o seu valor.

Diz-se que a água vem de Deus, de S. Pedro, será de graça, mas as canalizações, as estações de tratamento de água não são oferta divina, custam muito dinheiro. Quando o Estado, que tem a obrigação de definir as tarifas, não reflecte a realidade dos custos, não tem dinheiro suficiente para garantir a sustentabilidade dos serviços. Contudo, tal processo nunca deve ser levado a cabo à custa dos mais pobres!

Egipto. O Egipto cobra uma das tarifas mais baratas do mundo e, por isso, tem também uma água de péssima qualidade, não tem dinheiro para garantir a sua qualidade, nem para expandir a rede a novas zonas, sobretudo a bairros de lata, que continuam a não ter acesso a água canalizada. Os pobres no Egipto continuam a comprar a água a vendedores ambulantes, em saquinhos ou a camiões-cisterna, redes que frequentemente são dominadas por máfias e que cobram preços exorbitantes. São 50 a 100 vezes mais elevados do que numa cidade como Lisboa. O que acontece com as tarifas baixas é que estamos a subsidiar a classe média e alta, visto que os pobres nem sequer estão ligados à rede.

PÚBLICO -
Aumentar

Detroit. Virá a pergunta: se vamos expandir, e para isso os preços sobem, como é que os pobres pagarão a água? É verdade que na zona de Detroit, nos EUA, o fornecimento de água foi cortado a muita gente, por não poder pagar. Isso foi muito visível nos anos de 2013 e 2014. Uma tarifa verdadeira para a água, subindo o seu preço, não tem de excluir os mais pobres, os mais vulneráveis. Vamos ter provavelmente tarifas mais altas, mas teremos de ter também tarifas sociais para apoiar quem não tem possibilidade de pagar o preço real. Estas duas ideias têm sempre de andar de mãos dadas.

Las Vegas. Por outro lado, quando falamos de escassez de água, tende-se a olhar mais para os particulares, para o consumo doméstico, que só consome cerca de 10% do total de água doce, enquanto a agricultura consome 70% e a indústria 20%, ou seja, estes são os maiores consumidores. Muitas vezes, o Estado subsidia a água para usos agrícolas e industriais. Outras, toma medidas com impacto positivo. A cidade de Las Vegas, nos EUA, é muito quente e não tem água. O governo da cidade apostou em conseguir poupança do consumo aumentando as tarifas a um ponto tal que a indústria hoteleira percebeu que valia mais poupar, financeiramente fazia sentido. E foi assim que os hotéis instalaram redutores de caudal e adoptaram outras medidas para reduzir os consumos. Já para a população em geral passou a ser proibido regar os jardins e quem fizer uma utilização abusiva de água é multado. Isto com a ajuda de “detectives da água”, uma espécie de fiscais locais. Fazem falta detectives da água também para a agricultura e para a indústria ou então criem-se incentivos à mudança de comportamentos. O que se verifica é que quando a água é muito barata, o comsumidor não encontra razão para poupar.

Tóquio. Também temos de ser imaginativos e inventivos quando pensamos em poupar água. Em Tóquio, os prédios têm canalização dupla. Em vez de ir para o esgoto, a água dos duches em cada prédio vai para um tanque que serve os autoclismos.

Nunca é demais dizer que todas estas políticas devem ter os mais pobres e vulneráveis no centro. Como sem água morremos, muitas vezes as pessoas fazem um esforço sobre-humano para continuarem a ter acesso, mas depois não conseguem pagar outras contas essenciais na sua vida. O acesso à água é um direito humano e este direito não pode significar a privação de outros direitos. Temos de olhar para os direitos humanos no seu conjunto. Para que os aumentos de preço da água não ponham em causa o acesso a muitos outros direitos – como o direito a medicamentos; à alimentação ou à educação - devem ser introduzidos mecanismos (como uma tarifa social), para apoiar quem não pode pagar.

Portanto, para chegarmos à água do futuro sustentável, precisamos de ter pelo caminho governos com coragem para reflectir a realidade dos custos do serviço e conscientes dos direitos das pessoas mais vulneráveis. É esta a fórmula mágica.

Não vai haver água que chegue para todos? O planeta tem hoje a mesma água do tempo dos dinossauros, digamos que é chichi de dinossauro reciclado, contudo, no tempo do Jurássico não havia campos de golfe, fábricas, agricultura intensiva, máquinas de lavar roupa... A quantidade actual de água é a mesma do tempo em que a população mundial era muito menor.

A nossa relação com a água vai mudar muito. Teremos de reciclar mais, mas teremos sobretudo de poupar mais. Só vamos sentir isto de duas maneiras: uma no bolso, através do preço; outra por consciencialização, através de campanhas de poupança.

Jordânia. A Jordânia é um país sequíssimo, é o segundo país do mundo com menos água, e agora a braços com uma crise de refugiados. A sua economia depende da agricultura, nomeadamente da que é praticada no Vale do Rio Jordão. O Governo subsidia a água para a agricultura por ser um sector muito importante para a economia. Sendo uma fonte muito importante de receitas, o lobby agrícola é também muito forte no país. O Governo começou lentamente, a fazer campanhas de sensibilização junto dos agricultores para mudarem as suas culturas altamente consumidoras de água para outras menos consumidoras mas com igual valor de mercado. Em paralelo estão a diminuir progressivamente os subsídios à água. Não foram só as técnicas de irrigação que mudaram, foi o próprio tipo de plantas. É uma mudança que está a ser muito positiva, que não ainda é a situação perfeita mas a mudança está a conseguir passar “pelos pingos da chuva”! Os exemplos são relevantes quando se está consciente de que 70% do consumo mundial de água é para a agricultura.

É essencial aprendermos a consumir menos e isso significa que temos de baixar drasticamente o consumo de quem consome muito, não de quem vive em favelas. Ou seja, não é só reciclar mais. É sim, sermos mais eficientes, fazendo o que fazemos com menos água.

Hotelaria. Na indústria hoteleira há quem esteja a fazer campos de golfe muito mais amigos do ambiente, que reciclam a água, fazem tratamento primário e provavelmente secundário e utilizam-na para regar jardins, campos de golfe. Outros que nem sequer regam as áreas circundantes.

Distribuição. Uma das cadeias de grande distribuição em Portugal criou um código de análise dos alimentos em termos nutricionais. Uma boa medida era incluir a pegada hídrica do produto, porque ajuda as pessoas a fazerem escolhas conscientes. Essa pegada hídrica devia ser aplicada também por grandes cadeias de roupa. Esta informação ajuda as pessoas a fazerem escolhas conscientes, incluindo a decisão de não comprar. A indústria pode ter um papel importante na sensibilização e educação das pessoas. Qualquer sector industrial tem essa possibilidade, mudando o seu modelo de negócio, começando a mudança por dentro.

Restauração. Quando vamos a um restaurante e pedimos água, se a consumirmos em garrafa de plástico ou mesmo de vidro, aumentamos a pegada ecológica. Os restaurantes deviam fazer gala em servir apenas água da torneira, mas para isso é preciso começar internamente. É muito mais sustentável abrir a torneira e tirar a água do que abrir uma garrafa. Já saí de restaurantes que se recusaram a servir-me água da torneira. Portugal precisa de uma revolução nesta área.

Café. Até podemos achar que consumimos pouca água. É uma média de 150 litros por dia na Europa, um valor que se pode considerar razoável, para o padrão de 400 a 500 nos EUA e no Japão por dia. Porém, não podemos pensar isoladamente na questão da água que nos sai directamente da torneira. Também “bebemos” água virtual! Que água é essa? A dose de café para uma chávena necessitou de cerca de 140 litros de água na sua produção. E para produzir um quilograma de carne de vaca são precisos 15 mil litros de água.

E não podemos recorrer à água subterrânea para fazer face à falta de água? Os lençóis freáticos são a nossa conta-poupança, para mexer apenas numa emergência, não no dia-a-dia. Na maioria dos países não há monitorização da utilização dos lençóis freáticos. As pessoas fazem furos, utilizam a água, como se fosse infinita.

A Eslovénia adoptou medidas quanto a este problema, com a monitorização em tempo real do nível dos lençóis freáticos. Não conheço outro país assim.

*Presidente executiva da Parceria Água para Todos (ONU)?

Depoimento recolhido por Lurdes Ferreira

Para a série Futuro Sustentável, o PÚBLICO convidou individualidades de organizações reconhecidas nas suas áreas que nos contem o que se prepara para o tempo da próxima geração.