EUA

Oferta de imunidade vira mais um amigo contra Donald Trump

O dono do jornal National Enquirer, que atacou Hillary Clinton durante a campanha e pagou o silêncio de uma antiga modelo da Playboy para proteger Trump, está a colaborar com as investigações sobre a Rússia.
Foto
Reuters/LEAH MILLIS

À medida que a investigação sobre a campanha eleitoral de Donald Trump em 2016 se aproxima da Casa Branca, cada vez mais amigos e confidentes do Presidente norte-americano procuram saídas de emergência para escaparem a pesadas penas de prisão. Depois de o advogado Michael Cohen ter afirmado, sob juramento, que foi Trump quem o instruiu a violar as leis de financiamento de campanhas, soube-se agora que o dono do jornal National Enquirer, David Pecker, recebeu imunidade para testemunhar contra o Presidente.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

A notícia foi avançada na quinta-feira pelo site de notícias Hive, da revista Vanity  Fair, e desde então foi confirmada por jornais como o New York Times e o Wall Street  Journal. Para ilustrar o problema que a colaboração de Pecker com o procurador Robert Mueller representa para Trump, o jornalista que deu a notícia em primeira mão, Gabriel Sherman, reproduziu no seu texto a reacção de uma pessoa identificada apenas como amiga do Presidente norte-americano: "Holy shit, pensei que o Pecker seria o último a virar-se contra ele."

O advogado e o director de campanha

A notícia da concessão de imunidade a David Pecker é o terceiro indício em poucos dias de que as investigações sobre as suspeitas de conluio entre a Rússia e a campanha de Trump estão a deixar em pânico o círculo mais próximo do Presidente.

Na terça-feira, o antigo advogado pessoal de Trump, Michael Cohen, deu-se como culpado de oito acusações num julgamento que está a decorrer em Nova Iorque, num caso que surgiu durante as investigações da equipa do procurador Mueller.

Entre outras coisas, Cohen é acusado de ter pago a duas mulheres, durante a campanha de 2016, para não falarem sobre relações íntimas que terão mantido com Trump no passado. Como esses pagamentos de centenas de milhares de euros foram feitos por Cohen a título pessoal e com o objectivo de influenciar o resultado das eleições (neste caso escondendo informações que podiam prejudicar um candidato), está em causa uma violação das leis de financiamento de campanhas – um crime federal.

Só que o antigo advogado não se limitou a declarar-se culpado. Pela primeira vez, e sob juramento, acusou Trump de o ter instruído a fazer aqueles pagamentos, o que faz do actual Presidente, na prática, um "conspirador não acusado" – a designação atribuída ao Presidente Richard Nixon durante as investigações sobre o escândalo de Watergate.

Trump nega a acusação de Cohen e não terá de responder em tribunal por ela, pelo menos enquanto estiver na Casa Branca – é isso que diz a tradição legal nos EUA, que só muito dificilmente poderá ser contestada com sucesso. Ainda assim, o facto de Cohen ter dado o nome de Trump no âmbito de um acordo com a acusação indica que estará disposto a revelar outros segredos ao procurador Mueller, na esperança de vir a beneficiar de uma pena mais leve – os seus advogados têm dito que Cohen está mesmo disposto a falar sobre as suspeitas de conluio com a Rússia.

No mesmo dia em que Michael Cohen envolveu o Presidente num crime federal, o antigo director de campanha de Trump, Paul Manafort, foi considerado culpado de oito crimes de fraude bancária e evasão fiscal. Neste caso, as acusações dizem apenas respeito à vida pessoal de Manafort, e anterior à campanha eleitoral de 2016, mas a possibilidade de ele vir a ser condenado a dezenas de anos de prisão pode levá-lo a colaborar com o procurador Mueller, e a revelar informações importantes sobre a campanha eleitoral.

Seis debaixo de fogo

A semana não chegou ao fim sem mais uma revelação preocupante para o Presidente norte-americano, com a notícia da imunidade concedida a David Pecker e a outro executivo da American Media Inc., Dylan Howard. Ambos receberam imunidade para contarem os pormenores dos pagamentos feitos às duas mulheres que dizem ter mantido relações íntimas com Trump.

Pecker é amigo e confidente de Trump desde a década de 1990, e como presidente do grupo American Media Inc. ajudou o magnata do imobiliário no seu trajecto até à Casa Branca. Durante a campanha de 2016, as primeiras páginas do tablóide National  Enquirer encheram-se de títulos negativos sobre a candidata Hillary Clinton, acusando-a de ser racista, chantagista e assassina, e revelando supostas doenças graves para apresentá-la como incapaz de exercer a Presidência.

No decorrer das investigações do procurador Mueller, o nome de David Pecker e do seu grupo de media surgiram ligados ao advogado Michael Cohen. Um dos pagamentos feitos por Cohen para comprar o silêncio das duas mulheres passou pelo jornal National Enquirer, o que constitui também uma violação das leis de financiamento de campanhas, neste caso financiamento ilegal por uma empresa.

Na semana passada, o New York Times noticiou que o principal advogado da Casa Branca, Donald McGahn, tem colaborado "extensivamente" com a equipa do procurador Mueller "sobre os episódios no centro da investigação ao Presidente Trump sobre obstrução da Justiça, incluindo alguns que os investigadores não conheciam".

Pelo menos seis pessoas muito próximas de Trump, ou que estiveram directamente envolvidas na campanha de 2016, foram acusadas ou estão a colaborar com as investigações do procurador Mueller, que o Presidente diz ser uma "caça às bruxas".

Para além de Cohen, Manafort, Pecker e Howard, três outras pessoas foram acusadas de vários crimes: Michael Flynn, antigo conselheiro de Segurança Nacional escolhido por Trump; Rick Gates, antigo adjunto de Paul Manafort durante a campanha de 2016; e George Papadopoulos, conselheiro de política externa na campanha de Trump.