Fotogalerias

A neura de Johnny Rotten fica bem a perturbar o sossego de Vilar de Mouros

Dê-se a Vilar de Mouros o crédito de festival que abriu as portas a todos os outros em Portugal. 

Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

Dê-se a Vilar de Mouros o crédito de festival que abriu as portas a todos os outros em Portugal. Entre paragens, o Woodstock português foi insistindo em sucessivos regressos para não fazer de 1971, o ano em que por cá passou Elton John, um ano sem consequência. O festival marcou o ano zero dos festivais em Portugal. Chamam-lhe um festival maduro ou familiar. É seguramente pioneiro e um marco na forma de apresentar música ao vivo para massas. Ao início da tarde do primeiro dia do festival, entre passeios pelas imediações do recinto de um público fiel e da chegada de outros melómanos sedentos por um regresso ao passado, entram em palco os portugueses Cavaliers of Fun e Plastic People. Abriram a noite os PiL, com Johnny Rotten, instituição punk que encabeçou os Sex Pistols, a dar o mote para uma noite de revivalismo feita entre montes, neste paraíso do Alto Minho. Texto: André Vieira

Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta
Paulo Pimenta