Incêndios florestais

Governo lança esta quarta-feira programa de apoio a agricultores afectados por fogos de Monchique

Cinco milhões de euros estarão disponíveis em Outubro para as cerca de 400 explorações afectadas pelo incêndio do Algarve.
Foto
Miguel Manso

Na sequência dos incêndios que assolaram o Algarve e em particular a serra de Monchique durante uma semana no início deste mês, o Ministério da Agricultura vai accionar já esta quarta-feira um pacote de cinco milhões de euros de apoio aos agricultores afectados, avança a rádio TSF.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

O ministro Capoulas Santos disse à rádio que a verba será disponibilizada “de imediato” e que pode mesmo aumentar "se porventura os prejuízos excederem este montante”.

“Até este momento estão identificadas cerca de 400 explorações que tiveram prejuízos e estão já quantificados valores para metade dessas explorações que atingem cerca de dois milhões de euros", disse o ministro à TSF.

O incêndio de Monchique foi considerado o maior fogo do ano registado na Europa e consumiu mais de 27 mil hectares, segundo dados do Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais (EFFIS). Mais de 70 casas foram afectadas e o incêndio que esteve activo durante uma semana causou ferimentos em mais de quatro dezenas de pessoas. O balanço total dos efeitos do sinistro ainda está a ser ultimado, como disse na passada quinta-feira o ministro-adjunto Pedro Siza Vieira e como reiterou terça-feira no Algarve o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, pode "algum tempo a fazer-se a avaliação global da situação".

Mas o ministro Capoulas Santos avançou já que há 400 explorações agrícolas que necessitarão de apoio. O processo decorrerá perante apresentação de candidatura até 30 de Setembro, ao qual se seguirá, disse o governante à TSF, "um período de decisão rápido, de cerca de um mês após o fecho das candidaturas". Capoulas Santos detalhou ainda os escalões de apoios possíveis. "Até aos primeiros 5 mil euros serão atribuídos pagamentos a 100% dos prejuízos a fundo perdido. Entre 5 mil e os 50 mil euros serão pagos 85% do valor dos prejuízos e até 800 mil euros serão pagos 50% dos prejuízos.” Do processo constará ainda a necessidade de deduzir a estes valores os montantes entregues pelas companhias de seguros nos casos em que haja condições para tal.

Já na segunda-feira o Ministério do Ambiente disponibilizou 1,1 milhões de euros para recuperar linhas de água afectadas pelos fogos. De acordo com a TSF, e dado que os incêndios do Algarve alastraram também ao concelho vizinho, já alentejano, de Odemira (Beja), o Governo planeia nos próximos dias, e até ao final de Agosto, criar um pacote para ajudar também os produtores florestais dessa região.