Polícia holandesa resolve assassínio com mais de 20 anos

Nicky Verstappen foi assassinado aos 11 anos. Agora, graças a uma amostra de ADN, conhece-se o nome e a cara do principal suspeito.

Foto
A família de Nicky, durante a conferência de imprensa das autoridades holandesas EPA/MARCEL VAN HOORN

As autoridades holandesas anunciaram, nesta quarta-feira, a resolução de um quebra-cabeças com duas décadas: o desaparecimento e assassínio de um rapaz de 11 anos, Nicky Verstappen.

Nicky desapareceu de um campo de férias em 1998, foi encontrado morto numa floresta um dia depois e desde então que a polícia holandesa procurava por suspeitos.

Joseph Brech, 55 anos, é o principal suspeito no caso, anunciou a polícia numa conferência de imprensa em Maastricht. O ADN do homem coincide a 100% com o encontrado na roupa do rapaz. Brech vivia perto do local do crime e desapareceu no fim de 2017.

“Depois de 20 anos, podemos ter uma cara e um nome”, disse Berthie Verstappen, mãe do rapaz aos meios de comunicação holandeses.

O homem foi filmado a passar pela zona do crime várias vezes ao longo de vários dias, e pelo menos uma vez depois da meia-noite. Chegou a ser interrogado pelas autoridades, mas foi dado como inocente.

Numa última tentativa de descobrir o responsável pela morte de Nicky, as autoridades arrancaram com uma investigação de larga escala, no início deste ano. Pediram a milhares de homens que fornecessem o seu ADN e cerca de 15 mil assentiram — mas nenhum deles foi constituído arguido, conta a emissora holandesa NOS. Brech não participou de forma voluntária na recolha de ADN.

O homem deixou a Holanda no ano passado, dizendo à família que ia completar um trilho em França. Deixou de dar notícias no final do ano passado.

Foi dado como desaparecido em Abril e a polícia, ao examinar a sua casa, descobriu que as amostras de ADN encontradas nos seus pertences batiam certo com as do assassino.

A polícia admite a possibilidade de ter desaparecido para se esconder. O homem, que está habituado à natureza, consegue sobreviver por longos períodos de tempo em áreas remotas.