Opinião

Obrigado, em nome de todos os emigrantes

Por seres esta voz, mais uma, contra a ignorância, o maldizer, mas, sobretudo, contra a inveja de quem, não tendo partido, não pôde igualmente alcançar tanto quanto nos espera.
Foto
Murucutu/Unsplash

Obrigado, Carlos, por quereres saber, compreender e viver a realidade de quem, não tendo opção, cunhas ou conhecimentos, mas orgulho quanto baste, procura lá fora resolver esta partida do destino e construir uma vida e uma sorte.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

E obrigado por seres esta voz, mais uma, contra a ignorância, o maldizer, mas, sobretudo, contra a inveja de quem, não tendo partido, não pôde igualmente alcançar tanto quanto nos espera, lá fora, algures, onde ninguém nos conhece e as gentes são estranhas, como a língua é estranha, e contra tudo e contra todos vencemos. Inevitavelmente, ou não tivesse o emigrante de trabalhar por três ou quatro para assim justificar a sua presença numa terra que não é sua, nunca foi, nunca será.

E, Carlos, se queres mesmo saber, não tenho nem pronúncia ou estrangeirismos, lá em casa somos dois portugueses, eu e a Ana, depois da porta estamos em Portugal e ninguém fala em inglês e lemos, lemos e lemos mais um bocadinho.

De igual modo não tenho um carro topo de gama. O carro ainda é o mesmo, um Clio de 99, e está em Portugal, e se nunca atravessámos Vilar Formoso (viajamos de avião), queremos lá ir e visitar o museu do Holocausto, dedicado a todos os refugiados.

Ao invés, tenho um emprego, estável, com contrato e tudo, na direcção de uma escola, sendo que em três anos, sem cunhas nem conhecimentos, o tal estrangeiro numa terra estranha passou de professor de substituição a head teacher. 

Já cá estamos há 11 anos e, porque sabemos o que nos custou, partilhámos o saber apreendido num blog com mais de 150 mil visitas. De caminho perdemos a conta ao número de pessoas a quem ajudámos directamente a construir uma vida por terras de sua majestade, sempre a troco de nada, e às vezes alguns insultos. 

Entretanto já inseri os meus dados no projecto de investigação Famílias pelo Mundo, o qual decorre até 2020. Talvez seja este o melhor modo de agradecer, juntamente com este texto.