Primeiro o PAOK, depois o derby

Com o duelo da terceira jornada do campeonato frente ao Sporting já no horizonte, o Benfica recebe o PAOK na primeira mão do play-off de acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões

Foto
O reforço francês Corchia já se treinou no Benfica, mas não está entre os convocados para o jogo desta noite LUSA/RODRIGO ANTUNES

O Benfica tem pela frente esta noite os primeiros 90 minutos de um total de 180 que se revestem de uma importância capital para o que será a época 2018-19 do clube. Não há qualquer troféu em jogo, mas nem por isso pode dizer-se que é uma ocasião menos solene: um bom desempenho na primeira mão do play-off de acesso à Liga dos Campeões deixará os “encarnados” mais perto da nona presença consecutiva na fase de grupos da competição e dos milhões de euros que isso significa. Pelo contrário, falhar a entrada na Champions não será o fim da temporada em termos europeus (seguiria para a fase de grupos da Liga Europa) mas representará um potencial rombo em termos financeiros.

O último obstáculo entre o Benfica e a fase de grupos da Liga dos Campeões é o PAOK e, tal como aconteceu na eliminatória anterior, contra o Fenerbahçe, a equipa de Rui Vitória joga a primeira mão em casa (20h, TVI e Eleven Sports 1). Ou seja, a decisão da eliminatória acontecerá em ambiente adverso. E, se há um traço em comum entre os dois adversários, é o ambiente infernal que os seus adeptos criam. O Benfica passou em Istambul – 1-1 após triunfo por 1-0 na Luz – e o objectivo de Rui Vitória é visitar Salónica, na próxima semana, em circunstâncias semelhantes.

“O PAOK eliminou o Basileia e o Spartak Moscovo e acredita que pode disputar esta eliminatória com o Benfica. Temos de estar muito concentrados, muito determinados, impor o nosso jogo e criar dificuldades ao nosso adversário. A qualidade individual pode fazer a diferença”, resumiu Rui Vitória. Sem Jonas e Castillo, o ataque continuará entregue a Ferreyra. “Os golos têm aparecido de variadíssimas formas, de variadíssimos jogadores. O que interessa é que a bola entre”, afirmou o técnico, desvalorizando o registo do argentino de um golo marcado em quatro jogos.

Embora tenha deixado alertas para a qualidade do PAOK – “Vamos ter um adversário dificílimo”, disse Rui Vitória – o treinador do Benfica destacou a fase positiva que a sua equipa vive. “Vamos fazer o quinto jogo desde que começámos oficialmente a competir. Estamos num bom momento, estamos a evoluir enquanto equipa, e vamos jogar em nossa casa. Acreditamos que temos possibilidades”, afirmou na antevisão da partida. E o facto de o fim-de-semana reservar um derby (sábado, na Luz, a contar para a terceira jornada do campeonato) não altera uma vírgula ao discurso do técnico: “O PAOK é o próximo obstáculo que vamos ter. Neste momento, o objectivo é passar a eliminatória, como daqui três dias será vencer o Sporting.”

A última visita do PAOK à Luz remonta a 2014, nos 16 avos-de-final da Liga Europa, e não terminou bem para os gregos. Derrotados em casa na primeira mão (0-1), foram batidos em Lisboa por 3-0, com Gaitán, Lima e Markovic a fazerem os golos da equipa então orientada por Jorge Jesus. Mas o treinador Razvan Lucescu mostrou-se determinado em obter um resultado positivo para a sua equipa. “Respeitamos muito o nosso adversário, mas estamos aqui para ganhar. O Benfica é uma equipa muito forte, mas queremos qualificar-nos. Trabalhamos desde o primeiro dia com esta ideia. Estamos preparados para o que temos de fazer e confiantes”, frisou o técnico romeno.

O PAOK, que em Março esteve no centro de um incidente que levou à suspensão da Liga grega – o presidente do clube, Ivan Savvidis, entrou no relvado durante um jogo contra o AEK, com uma arma à cintura, para protestar contra um golo invalidado à sua equipa no período de compensação – nunca conseguiu chegar à fase de grupos da Liga dos Campeões, tendo-se ficado sempre pelas rondas de qualificação. Apresentam-se na Luz tendo já abatido dois nomes de respeito, mas será suficiente para impedir o Benfica de marcar presença pela nona temporada consecutiva?