Livros

Sabrina, a novela gráfica que já é protagonista do Booker 2018

Ainda é cedo para conhecer a carreira de Sabrina na edição deste ano do Man Booker Prize, mas a novela gráfica de Nick Drnaso, americano de 29 anos, está a concentrar em si a atenção do mundo literário.
Foto

No princípio do livro houve um estado de paranóia pessoal. Nick Drnaso, um cartoonista de Chicago agora com 29 anos, vivia em ansiedade extrema quando começou a pensar numa história que congregava todos os ingredientes da paranóia global do nosso tempo. O que acontece quando alguém muito próximo é alvo do escrutínio dos media, das redes sociais, da voragem especulativa que atravessa o universo da Internet contaminando as mentes e o quotidiano? É a pergunta que ecoa em Sabrina, título de um livro e nome de uma mulher que desaparece fisicamente sem deixar rasto. No lugar desse vazio fica o teatro da grande paranóia global e o pesadelo para os mais próximos. No caso, a irmã e o namorado.   

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Sabrina é o livro que pôs o nome de Nick Drnaso nos media que ele mesmo escrutina. Tudo porque ficou à frente de nomes como Allan Holinghurst, Julian Barnes ou Peter Carey — todos ex-vencedores — na lista de candidatos a ganhar a edição de 2018 do Man Booker Prize e a receber elogios de outros nomes famosos das letras, como Zadie Smith ou George Saunders, o vencedor de 2017, com o romance Lincoln no Bardo

A atenção sobre Drnaso começou, no entanto, antes do anúncio da long-list do Booker. Em Maio, quando publicou no New York Times a crítica a Sabrina, o escritor e jornalista Ed Park alertava para uma das perplexidades possíveis perante a leitura desta novela gráfica: “como é que se pode ilustrar uma ausência afectiva?” E sob essa interrogação escrevia sobre a pertinência de ler Sabrina e aguçava a curiosidade para o que lá vinha. Recorrendo a desenhos com traços muito simples, enorme contenção e um enredo que parece pouco elaborado à partida, Drnaso [lê-se mais ou Durnasso] narra o desaparecimento de uma jovem mulher. O mistério era o alimento de que Drnaso precisava para explorar algumas das grandes questões do nosso tempo. 

Foto

Nas cenas iniciais, Sabrina está em casa dos pais, em Chicago, quando a irmã mais nova, Sandra, a visita com uma proposta: que tal as duas passarem uns dias no Lago Michigan? Sabrina acha boa ideia. Sair da cidade, dar umas voltas de bicicleta, afastar-se da Internet. Fica combinado, sem que Sandra possa imaginar que nunca mais irá ver a irmã. Sabrina desaparece misteriosamente e o livro centra-se na narrativa mediática, social, afectiva e política que se vai construindo à volta dessa ausência súbita, com Drnaso, através dos desenhos e de diálogos apurados ao longo de 200 páginas, a lançar pistas para uma reflexão sobre conceitos como os de verdade e mentira, medo e vazio, ilusão e convencimento num tempo dominado pelas redes sociais e pela capacidade de manipulação tecnológica. 

Este é o presente de Sabrina, o mesmo tempo presente da América de Trump e também o presente do mundo em que vivemos, com cada um dos que lêem o livro a partilharem a incómoda sensação de se reverem na consciência de perigo, na ambiguidade existencial entre serem, em simultâneo, vítimas e agentes de manipulação e de propagação de rumor, ou serem pares no sentimento de abandono e de dor diante do desaparecimento inexplicável de alguém que amam.

De forma sintética — porque qualquer explicação pode interferir na leitura deste livro cirurgicamente pensado — são estes os ingredientes de Sabrina, a primeira novela gráfica a surgir nas listas de livros seleccionados para o Man Booker Prize; uma estreia no momento em que se assinalam 50 anos de um dos prémios literários mais prestigiados do mundo. O facto é inédito e tem merecido a atenção de modo a lançar a discussão sobre a hipotética abertura da literatura a géneros considerados menos convencionais ou mais desafiadores do cânone. Ao mesmo tempo alerta para a qualidade de obras em áreas mais à margem do mainstream, como são as novelas gráficas.

Quem está ligado a este tipo de criação aplaude a decisão de integrar Sabrina na long-list do Booker, não apenas pelo valor literário da obra mas também pelo sinal que o establishment literário parece dar com essa inclusão: o de chamar atenção para linguagens literárias fora do circuito dos grandes prémios e da dita “literatura séria”. Enquanto isso, os mais ortodoxos vão torcendo o nariz. Entretanto, o discreto Nick Drnaso vai cedendo à exposição

Este é o segundo livro do cartoonista de Chicago, admirador confesso de Chris Ware, o ilustre cartoonista de Nova Iorque que no ano passado lançou a memória gráfica Monograph. Antes de Sabrina houve Beverly (2016), colecção de contos que a crítica então aplaudiu, referindo-o como um livro incómodo sobre a actualidade e a comparação com universos criativos como o de George Saunders. Drnaso já conquistara a admiração de alguns, agora os holofotes estão sobre ele. É cedo para saber se Sabrina será o vencedor do Booker. Antes terá de passar mais uma fase, integrar a short-list que será conhecida em meados de Setembro, mas Nick Drnaso já está a fazer história e a ser protagonista de debates literários inéditos.