Internet

Apple remove jogos da sorte da loja de aplicações na China

A empresa foi acusada de não filtrar aplicações ilegais que levaram alguns cidadãos chineses a perder dinheiro em burlas.
Foto
Num só dia, a Apple removeu mais de duas mil aplicações Reuters/Damir Sagolj

A Apple está a remover milhares de aplicações de jogos da sorte da sua loja de aplicações na China, depois de críticas da comunicação social do país durante o mês de Agosto.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Apesar de a empresa definir este tipo de aplicações como ilegais naquele país, foi acusada por vários jornais e canais de televisão controlados pelo Governo chinês de não as retirar da loja, levando a enormes perdas monetárias para utilizadores que compraram bilhetes de lotaria para alguns sorteios ficcionais.

A estação de televisão China Central Television (CCTV), por exemplo, conta a história de um burlado que perdeu mais de 120 mil yuan (15 mil euros) com estes serviços. “A Apple definiu regras para filtrar as aplicações que entram na loja, mas não as respeitas, resultando na proliferação de aplicações de sorteios e jogos da sorte grátis”, apontou o canal de televisão.

As novas acusações surgem durante um período de tensão crescente entre a Apple e os media do país. Em várias ocasiões, a empresa tem limitado os seus serviços a pedido do governo. Em Julho de 2017, a Apple deixou de disponibilizar aplicações de redes virtuais privadas (VPN), que permitem aos utilizadores mascarar a sua identidade online ao atribuir-lhes um endereço de IP temporário (por vezes, noutro país). São usadas, por exemplo, por quem quer navegar em sites bloqueados na zona em que estão. Na China, a lista inclui o Google, o Facebook, o WhatsApp, o Twitter, o Skype, o Netflix, várias secções da Wikipédia e alguns jornais internacionais.

Em resposta às acusações da CCTV, esta segunda-feira a Apple confirmou que "as aplicações de jogos da sorte são ilegais e não são permitidas na App Store da China", mas diz que remove aplicações regularmente porque está “alerta para encontrar programadores a distribui aplicações de jogos de sorte ilegais”.

A empresa não divulgou números, mas, de acordo com a estação de televisão chinesa, há 25 mil aplicações problemáticas. No dia 9 de Agosto, a Apple conseguiu retirar cerca de duas mil, numa “remoção em grande escala”, e desde o final de Julho a empresa terá bloqueado cerca de 500 aplicações que tinham a palavra “lotaria” no nome.

No total, a loja de aplicações da Apple na China tem 1,8 milhões de aplicações, de acordo com dados do ministro para a Indústria e Tecnologia de Informação da China. Desde Fevereiro que o Governo chinês tem o acesso facilitado a parte da base de dados da Apple que armazena a informação das contas de iCloud de utilizadores a viver na China.