Opinião

A floresta é um ecossistema complexo e generoso

Aprender a conviver e a responder ao risco do fogo nos territórios é indispensável.

Para a maioria dos portugueses, a floresta resume-se cada vez mais ao drama repetido dos incêndios a que assistimos no verão, e que passámos a temer pela proximidade e sobretudo pela magnitude. Findo este período e desligados os holofotes da imprensa, regressa o crónico alheamento em relação à evolução e transformação da floresta e do mundo rural. A verdade é que se perdeu há demasiado tempo a relação vital com a floresta, prescindindo-se da sua função social estruturante, e o território está hoje desligado dos quotidianos das comunidades. Com crescente violência, os incêndios vão devastando a diversidade, e no seu lugar prospera a monotonia de uma paisagem simplificada, convertida em eucaliptal, acacial, ou matos. Sobre a floresta pende agora a ameaça de um quadro climático favorável à ocorrência de incêndios de forte intensidade e os problemas fitossanitários; cenários de degradação que se vão impondo num território em que predomina a pequena propriedade, a ausência generalizada de gestão e ordenamento e uma evolução sociodemográfica que favorece o abandono.

Mas a floresta é muito mais do que o cenário redutor que sobressai da leitura mediática! A floresta é um ecossistema complexo e generoso; serve de habitat a muitas espécies de plantas e de animais, é biodiversidade, é paisagem, é proteção do solo, é equilíbrio do clima, é sumidouro de carbono. Esta dádiva de bens e serviços justifica bem que se invista na valorização do ecossistema florestal, e que não se olhe apenas para a espécie arbórea que o domina. Focando o olhar na espécie, tendemos a esquecer a riqueza do ecossistema, a biodiversidade e os serviços que presta, os quais - mais do que nunca - importa cuidar e valorizar.

Sabemos que o fogo é um elemento natural e que o teremos sempre presente. Sabemos também que o clima mediterrânico é favorável à ocorrência de incêndios, com um longo período que é simultaneamente quente e seco. Sabemos ainda que existem regimes de fogo cuja frequência e intensidade estão dentro dos valores históricos para os ecossistemas afectados, sendo possível perceber a adaptação de certas espécies e comunidades a este regime. Mas também sabemos que são muitas as mudanças provocadas pela atividade humana que conduziram a alterações dos regimes históricos dos fogos, e que podem comprometer a biodiversidade e o equilíbrio dos ecossistemas. São exemplo destas alterações, o aumento do número de ignições - em parte devido à expansão e má gestão da interface urbano-florestal, a maior continuidade e conectividade espacial da vegetação (presença de combustível) devido à diminuição dos usos tradicionais (pastoreio, agricultura) e à proliferação e má gestão de plantações florestais. Por outro lado, a própria política de gestão de incêndios pode contribuir para a acumulação de vegetação, resultando incêndios menos frequentes, mas mais intensos.

Excluir o fogo dos ecossistemas mediterrâneos é tarefa impossível e ecologicamente insustentável; mesmo com grandes investimentos em medidas e meios de prevenção e extinção, não é possível criar uma paisagem totalmente ignífuga quando coincidem condições de seca prolongada, ventos fortes e múltiplas ignições. Aprender a conviver e a responder ao risco do fogo nos territórios é indispensável, pelo que se impõe uma gestão ativa e práticas informadas de prevenção. Em Portugal, esta condição de risco, acrescenta à necessidade de respostas urgentes para a frágil situação do interior rural, e de apoio técnico e financeiro para reabilitar um ecossistema florestal que se regenera mais pobre e com uma composição degradada e mais susceptível ao fogo. No atual cenário de desleixo, público e privado, sem um compromisso sólido por um novo modelo territorial que promova o ordenamento do espaço florestal, perde a função económica de produtividade silvícola e perde ainda mais a função ecológica de conservação dos recursos múltiplos que o ecossistema florestal deve assegurar.

Cátedra Unesco em Biodiversidade e Conservação para um Desenvolvimento Sustentável