Como o PSD vê o novo partido de Santana: entre a “salgalhada ideológica” e o “desgosto” de Sá Carneiro

José Eduardo Martins é crítico sobre a declaração de princípios da Aliança. As críticas surgem também de antigos aliados de Santana.

Foto
José Eduardo Martins é cáustico no comentário à carta de princípios da Aliança de Santana ADRIANO MIRANDA / PUBLICO

Com o PSD em silêncio sobre a saída de Pedro Santana Lopes e a criação de uma nova força política, há alguns sociais-democratas que falam sobre a ruptura do ex-líder, uns num tom mais crítico, outros mais compreensivos.

O ex-deputado José Eduardo Martins, que foi secretário de Estado do Governo liderado por Santana Lopes, é ácido sobre os excertos da declaração de princípios do novo partido já divulgados. “Fiquei um bocadinho surpreendido com a salgalhada ideológica. Se calhar já vai tarde para estudar”, afirmou ao PÚBLICO José Eduardo Martins que, recentemente, apoiou a decisão de Pedro Duarte de desafiar a liderança de Rui Rio.

Em causa está a posição liberal assumida sobre várias matérias, ao mesmo tempo que rejeita as “visões utilitaristas e egoístas da vida humana”, que consta da declaração de princípios e que aponta para uma perspectiva mais conservadora.

Já João Montenegro, ex-director de campanha de Santana, assume “tristeza” com a saída do ex-primeiro-ministro do partido e garante que se mantém no PSD, porque, “como diz o Presidente [Marcelo Rebelo de Sousa], não se muda de família”. Por estes dias, o antigo assessor de Passos Coelho diz recordar-se da “ligação forte” que existia entre Santana e Sá Carneiro. “Se fosse vivo, tenho a certeza de que teria um desgosto”, afirma sobre o fundador do PSD, fazendo um repto para a união do partido perante esta “dissidência forte”.

Apesar de não ter sido consultado sobre a decisão de Santana, João Montenegro ensaia uma explicação sobre o que se passou, depois de ter havido um esforço de união há seis meses no congresso do PSD.

“Não tenho falado com Santana Lopes, mas provavelmente sente que o caminho que a direcção está a trilhar não é o seu”, afirma. O antigo director de campanha interna tem dúvidas sobre se o novo partido “terá espaço político” e lembra que o PSD “sempre soube superar as dificuldades” Mas é certo que o partido agora liderado por Rui Rio “vai ter aqui uma prova de força”. O actual líder, diz, tem a “responsabilidade de criar um percurso que faça com que o PSD se apresente como alternativa a esta esquerda perigosa”.

Outra voz social-democrata que discorda da decisão de Santana Lopes é a do seu antigo mandatário de Lisboa. “Não concordo mas compreendo”, afirma Carlos Carreiras, presidente da Câmara de Cascais. Os valores já assumidos – como o personalismo – são os aqueles com que o autarca se continua a identificar no PSD. Quanto ao impacto do novo partido, Carlos Carreiras considera que “pode ser uma lufada de ar fresco na política portuguesa”.

As eleições europeias são apropriadas para a estreia de um partido, diz Carreiras: “Considero que vai ser um bom momento de afinação da mensagem.” O tempo deve ser de reflexão sobre as decisões da União Europeia, defende o autarca, lembrando que há "o perigo dos partidos extremistas à esquerda e à direita", o que o leva a defender que o projecto europeu "tem de se reformular", apesar de ser um europeísta. 

Amigo e apoiante de há longa data de Santana Lopes, o actual líder da distrital do PSD de Lisboa, Pedro Pinto, mostrou-se surpreendido com a ruptura do ex-primeiro-ministro. Foi uma das primeiras reacções à possibilidade de Santana criar um novo partido. Pedro Pinto, que foi vice-presidente de Passos Coelho, também marcou a distância: “Agora, é como se fizéssemos parte de clubes diferentes."

Outras figuras próximas de Santana Lopes como mandatários na campanha interna ou até ex-ministros do seu Governo (2004-2005) não se mostraram disponíveis para falar sobre a saída de Santana Lopes do PSD.