Palcos da semana

À música que chega do Brasil juntam-se outras de uma aldeia minhota e de uma cidade ao centro. Pelo meio, há arte para uma nova era.

Foto
Maria Rita Daryan Dornelles/Divulgação

Música
Amor e samba

Longe vai a obsessão com a herança genética de Maria Rita. Ser filha de Elis Regina e César Camargo há muito deixou de ser o motivo inicial de conversa. A personalidade vocal doce, forte e quente tornou-a ícone da música brasileira por mérito próprio, título que 11 Grammys vieram sublinhar. O disco de estreia homónimo, lançado em 2003, foi a boa surpresa. Segundo, a confirmação. Seguiram-se os originais Samba Meu, Elo, Coração a Batucar e, já este ano, Amor e Música. É nas canções deste álbum, uma reinvestida ao samba alimentada por participações de Zeca Pagodinho, Marcelo Camelo, Arlindo Cruz, Carlinhos Brown e outros, que se concentram as atenções do espectáculo que a traz de volta a Portugal.

CASCAIS Casino Estoril
Dia 24 de Agosto, às 22h.
Bilhetes de 30€ a 100€

VISEU Campo de Viriato
Dia 25 de Agosto, às 22h.
Bilhetes a 7,50€

 

PÚBLICO -
Foto
DR

Música
Do Rio fez Home

Radicada no Rio de Janeiro desde 2012, a cantora londrina Rachel Jesuton Olaolu Amosu fez sucesso a partir da cidade maravilhosa, com actuações de rua registadas em vídeo que rapidamente se tornaram fenómenos de visualizações online. Agora, Jesuton tem em mãos Home (2017) – terceiro álbum da discografia, primeiro de originais –, que lá levou a Lollapalooza e que vem apresentar à esplanada da Casa da Música, à mistura com as versões de Adele, Amy Winehouse ou Rolling Stones que a fizeram famosa.

PORTO Casa da Música
Dia 24 de Agosto, às 22h.
Grátis

 

PÚBLICO -
Foto
John Cale Paulo Pimenta

Festival
De Murphy a Cale

Embora tenha sido interrompido em diferentes fases, não se livra do estatuto de festival português com raízes mais antigas. Nem do título de "Woodstock português" que carrega desde os anos 1970. É de um cartaz dominado por veteranos que se faz a edição deste ano do festival Vilar de Mouros. Peter Murphy regressa para celebrar os 40 anos da sua banda, os Bauhaus. Os Pretenders cruzam o novo álbum, Alone, com êxitos. Os Human League recordam sucessos synth-pop. Os PiL (Public Image Ltd) de John Lydon retornam ao pós-punk. Os GNR revêem a carreira. Los Lobos trazem blues tex-mex. E John Cale, que tem lugar cativo no Olimpo dos mais influentes músicos do rock alternativo (especialmente como fundador dos Velvet Underground), surge como um dos nomes mais aguardados. Pela aldeia passam também Editors, Incubus, dEUS, David Fonseca, Crystal Fighters, James, Plastic People, Cavaliers of Fun, Scarecrow Paulo, Luís Severo e Kitty, Daisy & Lewis.

CAMINHA Vilar de Mouros
De 23 a 25 de Agosto. Programa completo aqui.
Bilhetes a 35€ (dia) e 70€ (passe)

 

PÚBLICO -
Foto
DR

Festival
Fora das muralhas

O chamado "padrinho do rock gótico" (Peter Murphy) pode estar em Vilar de Mouros, mas a comunidade converge também para Leiria, que se tornou capital do género graças, em boa parte, ao festival Entremuralhas. Na sua nona edição, muda de nome para Extramuralhas porque galga as ameias do castelo, onde até aqui se realizou (motivo: obras de requalificação do monumento), e espalha-se por vários locais. Recebe nove projectos em estreia nacional: Heilung, S.A.D. (Sudden Axis Disorder), Christian Wolz, Captains, Priest, Bragolin, Ricinn, Horskh e Shortparis. A estes juntam-se os incatalogáveis UIver, os Current 93 de David Tibet e, para rematar, essa máquina de rock industrial chamada Bizarra Locomotiva, a celebrar 25 anos de carreira.

LEIRIA Teatro José Lúcio da Silva, Stereogun, Museu de Leiria e Jardim Luís de Camões
De 23 a 25 de Agosto. Programa completo aqui.
Bilhetes de 7,50€ a 30€ (excepto concertos no jardim e no museu, gratuitos)

 

PÚBLICO -
Foto
Sebastião Almeida

Arte
Habitar o ar

Em Lisboa, o MAAT está prestes a despedir-se da exposição que tem ocupado a Galeria Oval com esculturas concebidas para... viver no ar. Trata-se de uma instalação site-specific e imersiva de um artista argentino que se tem dedicado, através do projecto Aeroceno, ao estudo do potencial habitacional de estruturas aéreas: Tomás Saraceno, vencedor do Prémio Calder em 2009. Com curadoria de Pedro Gadanho e Rita Marques, Um Imaginário Termodinâmico não é um mero exercício utópico-futurista. É também científico. O "escultor voador" trabalha com instituições como o MIT ou a NASA. Alimentadas por energia solar, radiação infravermelha ou diferenças de temperatura, as suas peças já mostraram poder deslocar-se, transportar pessoas e até transformar-se em aglomerados habitacionais (as suas Cloud Cities).

LISBOA MAAT - Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia
Até 27 de Agosto. Todos os dias, excepto terça, das 11h às 19h.
Bilhetes a 5€