Sete distritos em alerta máximo de incêndio. Protecção Civil diz que está a postos

O calor vai voltar, mas as temperaturas máximas não devem ultrapassar os 40 graus. Risco de incêndio é mais elevado nos distritos do Norte do país.

Foto
LUSA/PAULO NOVAIS

Este fim-de-semana, as temperaturas vão voltar a subir e, em algumas zonas do país, espera-se vento moderado a forte. Ao mesmo tempo, a humidade relativa do ar será mais baixa. Por isso, a Protecção Civil subiu esta sexta-feira o estado de alerta especial devido ao risco de incêndio para o nível vermelho (perigo extremo) em sete distritos.

Braga, Bragança, Guarda, Porto, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu são os distritos que estarão em alerta máximo a partir das 0h de sábado e, pelo menos, até às 23h59 de segunda-feira. O resto do país fica em alerta laranja.

Em conferência de imprensa durante a tarde desta sexta-feira, Alexandre Penha, adjunto nacional de Operações da Protecção Civil, sublinhou que foi feito um "reforço dos comandos distritais de operação de socorro" nas zonas abrangidas por este nível de alerta. Também há equipas da GNR e da Força Especial de Bombeiros pré-posicionadas.

Os distritos onde as “condições e as capacidades de resposta são inferiores” merecem atenção especial. Foram feitos reforços, em especial em Bragança e Viana do Castelo, “de maneira a que se ocorrer qualquer situação de incêndio se responda logo nos primeiros momentos”.

Na sequência do alerta lançado pela Protecção Civil, o Ministério da Administração Interna (MAI) assinou um despacho que determina a Declaração da Situação de Alerta, entre 18 e 22 de Agosto para estes sete distritos.

O documento contém várias "medidas de carácter excepcional", entre elas:

  • aumento do grau de prontidão da GNR, PSP e equipas de emergência médica;
  • mobilização permanente de Sapadores Florestais, do Corpo Nacional de Agentes Florestais e dos Vigilantes da Natureza;
  • "proibição do acesso, circulação e permanência no interior dos espaços florestais";
  • e a "proibição total da utilização de fogo-de-artifício ou outros artefactos pirotécnicos, independentemente da sua forma de combustão".

O despacho determina ainda que estão dispensados do serviço os funcionários públicos e, no caso dos distritos em alerta máximo, os trabalhadores do sector privado que desempenham funções de bombeiro voluntário.

Quanto às razões que motivaram o incremento do nível de alerta, o adjunto nacional de Operações da Protecção Civil explicou que "não se pode isolar" um factor que o justifique: deve-se ao quadro total das condições meteorológicas esperadas para o fim-de-semana.

Além disso, é um “período em que as festas e romarias são mais intensas", o que também coloca as autoridades em alerta. “Não quer dizer que tragam comportamentos irregulares, mas a população concentra-se nessas zonas e isso tem de ser tido em consideração. Especialmente a norte do Douro”, disse.

Calor deixa 15 distritos em alerta amarelo

As temperaturas elevadas, que não devem ultrapassar os 40ºC, vão deixar 15 distritos do continente em alterta amarelo — este aviso é o terceiro mais grave de uma escala de quatro e é emitido quando há uma "situação de risco para determinadas actividades dependentes da situação meteorológica". Évora, Beja e Santarém serão os distritos mais quentes.

Durante a tarde desta sexta-feira, Bruno Café, meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), explicava à SIC que o país estará, nos próximos dias, sob a influência de uma massa de ar quente e seco, que vai provocar o “aumento gradual da temperatura máxima”.

As temperaturas mínimas também vão subir: durante a noite de domingo para segunda não devem descer dos 20ºC, pelo que "já são consideradas noites tropicais”.

Nas terras altas do Norte e Centro, o vento será moderado a forte, especialmente entre o final da tarde e o final da manhã.

O IPMA, que também emite alertas para o risco de incêndio, coloca cerca de 20% dos concelhos de Portugal Continental em alerta máximo no domingo. A maioria dos restantes concelhos ficará em alerta elevado ou muito elevado.