Manifestação antitourada em Albufeira pede referendo regional

Desta vez, os manifestantes ficaram longe da arena, a gritar: “Basta de sadismo."

Foto
Imagem da invasão de quinta-feira da semana passada DR

Chegaram ruidosamente, manifestaram-se, mas não saíram do passeio. A GNR acompanhou nesta sexta-feira de perto um grupo de activistas antitourada e os protestos não passaram das palavras, mais ou menos agressivas. “Desta vez não vamos invadir o recinto da tourada”, declarava Isabel Searle, líder do grupo “Cidade de Albufeira antitourada”, no início da manifestação. Mas a militante da causa a favor da defesa dos animais agarrou no megafone e desafiou o poder autárquico: “Queremos um referendo, para ficar a saber quem vota a favor deste sadismo.”

Na semana passada, depois de três activistas terem saltado para a arena da praça de Albufeira, durante um espectáculo, houve confrontos. “Eles, os aficionados, atacaram as pessoas — são uns cobardes”, acusou Isabel Searle. Nesta sexta-feira à noite, enquanto se formavam as filas para a compra do bilhete de ingresso de mais um espectáculo — a Grande Corrida RTP —, ouviam-se palavras de ordem. “Basta de sadismo.” Mas os manifestantes permaneceram longe do alcance de touros e toureiros.

A exigência de colocar um ponto final na actividade da praça de touros de Albufeira vem desde há seis anos. O episódio de quinta-feira da semana passada, recordou Isabel Searle, foi o mais grave. Os três militantes que invadiram a arena foram detidos e agredidos por pessoas que estavam no recinto, houve também relatos de agressões no exterior, pelo menos uma queixa foi apresentada na GNR, e a pessoas que estavam a filmar “partiram-lhes os telemóveis”, enfatizou.

Dois dias depois, no parque de diversões Zoomarine, elementos do Vegan Strike Group (que se apresenta como uma organização internacional contra o abuso animal) saltaram para as piscinas, chamando a atenção para a vida em cativeiro dos golfinhos e outras espécies que ali se encontram.

“Estamos há seis anos a protestar contra esta tortura [tourada], contra esta vergonha”, declarou Isabel Searle, acompanhada no protesto por pessoas de outras nacionalidades. “Não há desculpas para dizer, em 2018, que os animais não sentem dor”, sublinhou, reclamando a abolição das touradas.

A promoção de uma zona turística, disse, faz-se divulgando a cultura portuguesa: “O fado, as praias, a boa comida, e não esta barbaridade. Isto tem de fechar.”

Por fim, a mostrar que a luta não é apenas dos portugueses, chamou a colega do lado: como é que se chama o vosso grupo? “Vegan Strike Group”, respondeu. O activista desta organização, Peter Janssen, um dos protagonistas da invasão da semana passada, não esteve presente.

PróToiro critica PAN por incentivar "acções provocatórias"

A PróToiro – Federação Portuguesa de Tauromaquia anunciou esta sexta-feira que vai pedir uma reunião ao Ministério da Administração para falar do que se passou em Albufeira há uma semana.

Esta organização revelou ainda, em comunicado, que um dos activistas envolvidos na invasão foi candidato pelo PAN – Pessoas, Animais, Natureza à Câmara da Moita, nas últimas autárquicas. “A PróToiro considera inaceitável que um partido com assento parlamentar incentive acções provocatórias, com o objectivo de desencadear uma reacção e apresentar-se como bastião da moral e dos bons costumes.”

O PAN defende-se argumentando que o activista invadiu a arena da praça de touros na qualidade de cidadão, e não em nome do partido em que milita. Mas observa que o cerne da questão é a violência exercida contra quem protestava contra a tourada.