Paulo Valdivieso/Flickr
Foto
Paulo Valdivieso/Flickr

Megafone

Aquele espaço entre o Tejo e o Algarve

É verdade que não é apenas aqui que os serviços públicos parecem próximos da ruptura, mas esta é talvez a região de que menos se fala. Porquê? Por ter menos habitantes e, por isso, menos eleitores e consumidores?

Começo por um episódio ocorrido na Linha do Alentejo, mais um na saga da CP.

É dia 3 de Agosto, já passam das 21h, as temperaturas rondam os 40º C e o comboio segue para Beja com mais de 40 minutos de atraso. Nisto, avaria-se e fica parado na linha, com portas trancadas, sem luz, sem climatização, nada. A automotora morrera para a vida. Passaram mais de 15 minutos até que os próprios passageiros forçaram as portas. Sem chegar socorro, um grupo de passageiros decidiu percorrer a pé quatro quilómetros até à estação mais próxima, Vila Nova da Baronia. Pode parecer pouco, mas note-se que andaram pela linha no meio da escuridão. Idosos e crianças esperaram no comboio até serem resgatados pelos Bombeiros Voluntários de Alvito e pela GNR. Após tudo isto, da parte da CP apenas silêncio, nem o transporte de substituição providenciou, tendo cada um dos passageiros que arranjar o meio para chegar ao seu destino. Esta avaria tem contornos especialmente graves, pois já não é apenas a qualidade do serviço que está em causa, mas sim a segurança dos passageiros. Nessa mesma noite, alguns meios de comunicação social nacional foram informados do que estava a acontecer, mas as respostas foram variantes de “isto não nos interessa”.

Este episódio é exemplar do desinteresse generalizado a que o Alentejo está votado e, neste caso particular, ao Baixo Alentejo. Comitivas partidárias passam por aqui, sempre com palavras de apaziguamento, com promessas de acção cuja concretização não acontece. As próprias entidades da região furtam-se a ocupar o espaço político e mediático — quem sabe qual a posição das autarquias, das comunidades intermunicipais, da CCDR, do Turismo do Alentejo, da Universidade de Évora e dos politécnicos de Beja e Portalegre, das direcções regionais, das associações empresariais e agrícolas, sindicatos, e restantes associações e colectividades? São emitidos alguns comunicados, algumas publicações nas redes sociais, mas tudo com um alcance muito limitado. Onde estão os protestos e as acções concertadas que se verificam noutras regiões? É verdade que não é apenas aqui que os serviços públicos parecem próximos da ruptura, mas esta é talvez a região de que menos se fala.

Porquê? Por ter menos habitantes e, por isso, menos eleitores e consumidores? Ou seja, porque tem à partida menos interesse para os poderes político e económico? Porque não é aqui que se decidem eleições nacionais? Porque aqui as clientelas têm uma influência mais reduzida? Porque só se fazem coisas onde já há riqueza? Mas não devia a riqueza servir para atenuar as assimetrias, pergunto eu candidamente?

O Alentejo corresponde a 33% do território continental. Da parte dos decisores políticos ouvimos declarações que apenas revelam ignorância e preconceito sobre a região, reduzindo-a tantas vezes ao Alqueva. Por exemplo, a futura construção do Hospital Central do Alentejo em Évora fará com que um habitante de Odemira se desloque cerca de 160 quilómetros para ir ao seu hospital de referência, num trajecto de cerca de duas horas em veículo privado. Só pode ser assim porque uma rede de transportes públicos regional é praticamente inexistente.

O sentimento de abandono e descrença nas instituições impressiona, o Estado é uma coisa distante e falta um estudo que mostre a confiança que existe por região. Tudo isto terá um impacto imprevisível nas eleições europeias e legislativas de 2019. Os alentejanos, do Alto ao Baixo, só pedem que se lembrem que eles também são cidadãos portugueses.

Sugerir correcção