Os rapazes que se tornaram terroristas ainda assombram a Catalunha

Incapacidade de detecção da radicalização dos autores dos ataques em Barcelona e Cambrils, aliada aos relatos de descoordenação entre as forças policiais mantêm feridas abertas na Catalunha.

Fotogaleria
Homenagens às vítimas dos ataques começaram esta quinta-feira em Barcelona EPA /Alejandro Garcia
Fotogaleria
O ministro do Interior de então com uma foto de Younes Abouyaaqoub, o motorista da carrinha do atentado nas Ramblas,O ministro do Interior de então com uma foto de Younes Abouyaaqoub, o motorista da carrinha do atentado nas Ramblas J.J. GUILLEN/EPA,J.J. GUILLEN/EPA

É com dor e tristeza que os catalães recordam esta sexta-feira os atentados que tiraram a vida a 16 pessoas e feriram mais 100, entre Barcelona e Cambrils (Tarragona). Mas um ano volvido do primeiro de dois dias de verdadeiro pânico na Catalunha, protagonizados por uma célula jihadista doutrinada em Ripoll (Girona), continua a pairar na região um sentimento de vulnerabilidade.

Aos relatos que os media espanhóis vão revelando sobre a falta de coordenação entre as diferentes forças policiais antes, durante e depois dos ataques, e sobre a facilidade com que os terroristas improvisaram para levar a cabo os atentados, soma-se uma incredulidade ainda palpável, partilhada por vizinhos e familiares, com a radicalização clandestina dos agressores.

“Passei cinco anos com eles, na sua idade mais difícil, quando entraram na adolescência. Falávamos de tudo: da escola, das suas primeiras paixões, das suas aventuras, das bicicletas e depois das motas”, conta ao El País Wafa Marsi, uma assistente social de Ripoll que acompanhou o crescimento de cinco dos dez membros da organização terrorista e que continua a não esconder a surpresa por aquilo em que se tornaram.

“Eram rapazes ali da praça, tinham o sonho de ser algo na vida, como todas as crianças. Choro pelo que foram, não por aquilo em que se converteram”, lamenta.

Um dos “rapazes de Marsi” era Younes Abouyaaqoub, o marroquino de 22 anos que a 17 de Agosto de 2017 conduziu uma carrinha a alta velocidade pelas Ramblas de Barcelona, atropelando quem lhe apareceu pela frente ao longo de 600 metros. 

Quando foi abatido quatro dias depois pelos Mossos d’Esquadra, em Subirats, já se conjecturava que integrava uma célula salafista jihadista, igualmente responsável pelo homicídio de mais uma pessoa na madrugada do dia 18, em Cambrils, e pela detonação acidental de uma quantidade assustadora de gás butano numa casa particular em Alcanar (Tarragona), na véspera dos atropelamentos – explosão essa que tirou a vida a grande parte dos elementos do grupo, incluindo a do seu mentor, o imã Abdelaki es Satty, e que frustrou os planos da célula de fazer mais vítimas e causar mais estragos.

O sucessor de Es Satty à frente da mesquita Annour, em Ripoll, partilha da incredulidade de Marsi e sai em defesa dos familiares e amigos dos terroristas, também eles assombrados e “envergonhados” com o percurso dos jovens.

“Acreditam mesmo que se um imã disser que se devem matar infiéis, durante as orações, ninguém vai sair daqui e contar? Os muçulmanos de Ripoll estão pasmados com o que aconteceu. Homens como este [o anterior imã] mancham a religião muçulmana, não têm nada a ver com ela”, assegurou Mohamed El Onsri.

Colaboração deficiente

Se entre a população de Ripoll houve dificuldades em detectar comportamentos suspeitos, no que toca às autoridades o caso é mais complexo. Entre as várias entidades de segurança e policiais responsáveis pela identificação e monitorização deste tipo de movimentos em Espanha, há registo de investigações e até contactos com alguns dos terroristas.

Mas segundo a imprensa espanhola, estas informações não tiveram o acompanhamento exigido e não foram eficazmente comunicadas aos restantes organismos do Estado.

A Vanguardia escreve que Abdelbaki es Satty despertou o interesse do Centro Nacional de Inteligência e dos serviços de informação da Polícia Nacional e da Guardia Civil, pelo seu alegado envolvimento em círculos fundamentalistas islâmicos – chegaram mesmo a visitá-lo na prisão, quando cumpria pena por tráfico de droga. Mas esse interesse não foi registado em qualquer base de dados comum.

E o El Mundo revela esta quinta-feira que, na fase inicial da investigação, os Mossos d’Esquadra não partilharam com a Polícia Nacional e com algumas unidades de contraterrorismo todos os documentos e provas encontrados na casa de Alcanar.

Fontes policiais disseram àquele diário, por exemplo, que foi com base nesses materiais que um agente dos Mossos contactou Younes Abouyaaqoub horas antes de este se lançar pelas Ramblas.

Descoordenações que, aliadas a uma forte componente de improviso na actuação dos terroristas, dificultaram a prevenção dos ataques do ano passado. E lançam dúvidas sobre a capacidade de prevenção de ataques futuros.