Saúde

Avaliações ao S. Francisco Xavier após surto de Legionella ainda não terminaram

Estudos pedidos para avaliar equipamentos e manutenção prosseguem. O surto começou em Novembro e fez seis mortos.
Foto
LUSA/ANTÓNIO COTRIM

Mais de oito meses após o fim do surto de Legionella no hospital S. Francisco Xavier, em Lisboa, não estão concluídas as duas avaliações pedidas aos equipamentos, entre as quais a torre de refrigeração onde foi detectada a estirpe fatal da bactéria. À data, a Direcção-Geral da Saúde apontou para a manutenção deficiente deste equipamento.

Atingiu o seu limite de artigos

A liberdade precisa do jornalismo. Precisa da sua escolha.

Não deixe que as grandes questões da sociedade portuguesa lhe passem ao lado. Registe-se e aceda a mais artigos ou assine e tenha o PÚBLICO todo, com um pagamento mensal. Pense bem, pense Público.

No final de Novembro, depois de confirmar que houve “seguramente” uma falha na origem do surto que infectou 56 pessoas, seis das quais morreram, a administração do Centro Hospitalar Lisboa Ocidental (CHLO) pediu uma “avaliação urgente” para perceber o que falhara. “Se houve falha, houve. Se foi humana ou se foi técnica ainda não sabemos”, afirmava à data Carlos Galamba, vogal financeiro da administração, justificando as incertezas que levavam o hospital a recorrer ao Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) para avaliar a forma como era feita a manutenção das estruturas e equipamentos dos hospitais São Francisco Xavier, Santa Cruz e Egas Moniz.

O foco da avaliação são as torres de arrefecimento e os sistemas de aquecimento, ventilação e ar condicionado dos três hospitais. Trabalho que o CHLO confirmava em Fevereiro ter um “prazo de realização de alguns meses". Também em curso continua a avaliação aos equipamentos pedida ao Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ) pela Veolia, empresa de manutenção das torres de refrigeração do hospital. A avaliação, iniciada em Dezembro, não tem ainda resultados, confirmou o PÚBLICO junto de fonte oficial da empresa.

As autoridades de saúde concluíram que a estirpe das bactérias detectadas nas secreções dos doentes coincide com as encontradas em pelo menos uma das torres de refrigeração do hospital, mas a falha que a originara escapava à esfera da saúde pública. A directora-geral da Saúde foi, no entanto, taxativa na afirmação de que havia “deficiências na manutenção da torre de refrigeração” que esteve na origem do surto de Legionella.

“Isso é inequívoco. Por observação, encontraram-se condições de conservação e manutenção dos equipamentos que eu diria que seriam propícias ao desenvolvimento das bactérias”, afirmou Graça Freitas, no início de Dezembro. A empresa sempre recusou qualquer responsabilidade, acrescentando que nunca a degradação da torre foi apontada pela equipa de peritagem interna.

O surto, detectado a 3 de Novembro do ano passado, foi dado como terminado a 27 do mesmo mês.