Área ardida em Monchique foi cinco vezes superior à dos sete primeiros meses do ano

O fogo de Monchique deflagrou no dia 3 deste mês e foi dado como dominado uma semana depois, no dia 10.

Imagens de parte da área florestal ardida na Serra de Monchique
Foto
Imagem de uma parte da área florestal ardida na Serra de Monchique Rui Gaudêncio

A área ardida no fogo que lavrou em Monchique de 3 a 10 deste mês foi quase cinco vezes superior à dos sete primeiros meses do ano, segundo dados do último relatório provisório de incêndios rurais do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

Entre 1 de Janeiro e 31 de Julho registaram-se 5564 hectares de área ardida, nos 6505 incêndios ocorridos, enquanto o fogo de Monchique, Algarve, destruiu uma área de 27.635 hectares, de acordo com os dados do relatório provisório e do Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais, respectivamente.

"O ano de 2018 apresenta, até 31 de Julho, o terceiro valor mais reduzido em número de ocorrências e o valor mais reduzido de área ardida, desde 2008", refere o relatório do ICNF.

Até ao final de Julho, 86% do total de incêndios rurais destruíram uma área inferior a um hectare e houve apenas um fogo que se insere na categoria de "grandes incêndios" (entre 100 e 1000 hectares). Este incêndio ocorreu no dia 21 de Julho, na freguesia de Pinhal Novo, distrito de Setúbal, e resultou em 153 hectares ardidos.

Ainda de acordo com o relatório, dos 6505 incêndios rurais ocorridos nos primeiros sete meses do ano, 4252 foram investigados e têm o processo de averiguação de causas concluído. A investigação permitiu a atribuição de uma causa para 3125 incêndios, sendo que as causas mais frequentes são a do uso do fogo -- queimadas (70%) e incendiarismos imputáveis (13%).

O incêndio rural de Monchique, que fez arder mais do que todos os dos sete primeiros meses do ano, deflagrou no dia 3 à tarde e foi dado como dominado uma semana depois, no dia 10. Atingiu o concelho vizinho de Silves, depois de ter afectado, com menor impacto, os municípios de Portimão (no mesmo distrito) e de Odemira (distrito de Beja). Quarenta e uma pessoas ficaram feridas, uma das quais com gravidade.