Santana já tem quem o siga na criação de um novo partido

Pouco se sabe sobre o novo partido de Pedro Santana Lopes, mas João Pessoa e Costa, eleito para a Assembleia de Freguesia de Alvalade, vai acompanhar o ex-primeiro-ministro.

Pedro Santana Lopes escreveu carta aos militantes do PSD quando se desfiliou do partido
Foto
Pedro Santana Lopes escreveu carta aos militantes do PSD quando se desfiliou do partido Nelson Garrido

O social-democrata João Pessoa e Costa anunciou na quinta-feira, por SMS, que vai desfiliar-se do PSD e renunciar ao lugar de vogal na Assembleia de Freguesia de Alvalade, em Lisboa, para acompanhar Pedro Santana Lopes na criação de um novo partido. É a primeira figura com responsabilidades políticas (neste caso, autárquicas) a deixar o PSD para apoiar Santana.

"Caras/os amigas/os, bom dia. Partilho a minha decisão de ontem de me desfiliar do PSD e de acompanhar o meu amigo de longa data Pedro Santana Lopes na criação de um novo partido político. Agradeço a todos os bons momentos de companhia na caminhada do PSD até hoje. Posto isto, vou renunciar ao meu lugar de vogal na Assembleia de Freguesia de Alvalade e retirar-me deste grupo. Boas férias", escreveu João Pessoa e Costa.

Ao PÚBLICO, Pessoa e Costa confirmou a informação e especificou que a sua decisão foi tomada no início desta semana. "Não tenho mais nenhum comentário a fazer a não ser que a minha posição tem a ver com uma questão de solidariedade e lealdade para com um amigo que me fez militante do PSD", acrescentou.

Esta posição de João Pessoa e Costa vem dar ânimo extra a Santana, numa altura em que alguns dos seus antigos apoiantes têm feito por se demarcar da posição tomada pelo antigo primeiro-ministro. A última foi Conceição Monteiro, antiga secretária de Sá Carneiro e ex-deputada do PSD. "Andámos sempre juntos em todas as batalhas. É com desgosto, não nego, que o vejo sair do partido", disse ao DN.

Pedro Pinto, que chegou a ser seu vereador em Lisboa, também assumiu a partir de agora, é como se fizessem "parte de clubes diferentes", mas garantiu ao Expresso, que os dois manterão a amizade de sempre. Jorge Barreto Xavier, ex-governante de Passos Coelho; João Montenegro, que foi director de campanha de Santana nas eleições internas de 13 de Janeiro; e Manuel Frexes foram outros dos seus indefectíveis que preferiam manter-se à margem do novo partido.

Ainda assim, Pedro Santana Lopes tem-se mostrado optimista com os números que as diferentes sondagens lhe atribuem. Na sua página do Facebook, escreveu recentemente, respondendo a um comentário de Francisco Louçã, que o bloquista ignorou que "mesmo a [sondagem] do Correio da Manhã dá 24,4% de pessoas que admitem votar [no seu futuro partido]. A do Expresso 5% de certeza e 15,4% que admitem. E alguns, donde? Do Bloco, pois. E ainda nem começou, não foi apresentado, nada".