Na Jordânia, o difícil é escolher

A capital, Amã, merece que lá se passem pelo menos dois dias. Depois, há Aqaba, atracções turísticas inevitáveis como Petra ou o deserto de Wadi Rum. E quatro segredos.

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Amã

Difícil é escolher se o tempo for pouco. No início ou fim da viagem, a capital merece que lá se percam (ganhem) uns bons dois dias – para quem prefere visitas a monumentos as opções são várias (Cidadela, Museu Jordano, mesquita Rei Abdullah – impressionante mas moderna –, mesquita Abu Darwish, que conserva o exterior original, em pedra branca e negra alternada), mas a Fugas recomendaria acima de tudo desfrutar do ambiente de uma cidade árabe moderna. Nas esplanadas frequentadas por jovens e menos jovens até bem tarde pela noite, na animada Rua Rainbow, onde não se ignora o souq (mercado) Jara e se está perto dos melhores cafés e galerias, mas também a dois passos do próprio Teatro Romano (Rua Al-Hashemi).

Com os seus 600 lugares, a Baixa da cidade (Al Balad, para os locais) parece ter nascido aos pés do imponente Teatro, entre colinas. Os próprios habitantes aproveitam para descansar nas ruínas, dependendo do sol e da hora do dia. Para fotografar é melhor uma visita matinal, mas não deixe de regressar à noite, depois de jantar num dos restaurantes tradicionais das redondezas e bem abastecido com uma dose de doces das lojas mesmo em frente (os gulosos não podem perder o knafeh).

Foto

De Sul a Norte

A sul, se a base é Aqaba, há Petra, o deserto de Wadi Rum (conhecido como Vale da Lua); a norte, há o inóspito e rochoso Wadi Sarhan e os vários castelos (qasrdo deserto (uma estrada permite visitar uma série deles num dia), alguns classificados pela UNESCO. A meio caminho fica, claro, o mar Morto, onde flutuar é de graça.

Um segredo

Mesmo quem goste de viajar sem quase nada marcado e ao ritmo dos apetites diários não pode deixar de organizar um almoço no deserto. Se estiver em Aqaba é perfeito – é preciso encomendar que aqui nada pode ser improvisado, tudo leva tempo. Camadas e camadas, arroz, carneiro, arroz, galinha, carneiro, arroz, tudo cozinhado no calor da areia, num fundo buraco escavado com a habilidade de gente que o faz desde sempre. O festim passa entre oito e 12 horas enterrado, tem de chegar lá de noite para o seu almoço. Vê-lo sair das entranhas e desfazer-se de pronto é um prazer em si mesmo. Se viajar sem nenhum guia, pergunte nos hotéis ou agências de viagem.

Foto

(Só mais um)

Damasco era uma cidade conhecida por mesquitas, casas apalaçadas transformadas nos mais belos restaurantes e souqs de encantar. Mas também por realidades mais terra-a-terra, como o cheiro do jasmim, as limonadas com menta ou o melhor gelado de pistácio do mundo. Como na Jordânia vivem hoje centenas de milhares de refugidos sírios, vale a pena procurar os seus restaurantes (comida como a síria não se encontra facilmente). E sim, provar o gelado verde e delicioso que um sírio decidiu arranjar forma de vender em Amã para que os damascenos chegados nos últimos anos não tenham tantas saudades de casa. Chama-se Bekdash, como a original, sabe tal e qual, e correu tão bem que já existem várias gelatarias (Rua Al-Madina al-Monawara, Sweifieh ou Galleria Mall).

(Afinal, faltava a Cafetaria Reem)

Há boas kebabs e há a kebab da Cafetaria Reem, em Amã. Se deixarmos os jordanos julgarem, pelo menos, não há nenhuma como esta. O local não podia ser menos óbvio: literalmente ao lado de uma rotunda – Jabal Amman, Second Circle –, é minúsculo, está aberto 24 horas por dia e só serve kebab de cordeiro. As filas falam por si, o cheiro também. Os seis funcionários nunca entram em pânico mas há horas em que é impossível fazer pedidos especiais. Não é um problema, o habitual é perfeito; fatias de cordeiro em pão fresco de pita, pedaços de tomate e cebola doce, uma pitada de sal, sumagre, tudo bem enrolado e quente. Dizem que às vezes param por ali carros enviados do próprio palácio a pedido da rainha Rania. O preço? Menos de 50 cêntimos.

Foto

Despachada a kebab, mais umas linhas dedicadas à falafel (pastéis de grão) que os jordanos reclamam ter inventado. Em Amã não provámos melhor falafel do que as do Hashem, uma instituição, aberto desde 1952 e, diz-se, mantido intacto. O sistema pode parecer confuso, mas é só pedir num pequeno balcão, encontrar lugar nas mesas ao ar livre e vai correr tudo bem. Se assim for, chegarão à mesa de plástico as próprias falafel, saídas de óleo a ferver, e os acompanhamentos pedidos – foul (uma pasta de favas com azeite que noutras paragens é o pequeno-almoço dos homens de trabalho), hummus (pasta de grão) a saber a alho, pickles, pimenta, cebola crua e folhas de menta. É misturar o que se quiser, embrulhar em pita e degustar. Tudo por menos de dois euros.

O Hashem fica num beco da Rua Al-Amir Mohammed (onde num dia de sol há banquinhas de rua a vender gelados e doces tradicionais que podem transformar-se em bancas de batata-doce assada em menos de nada, mal caiam umas gotas de chuva). O beco é justamente conhecido como Hashem.

(Agora sim, o último)

Este é rápido – os jordanos (muitos são na verdade palestinianos) são uma simpatia e gostam genuinamente de receber e de conversar com estrangeiros. É aproveitar.