Temos chuva de estrelas no domingo à noite

Em Portugal, o fenómeno pode ser observado a partir das 23h do dia 12, quando a constelação de Perseus surge acima do horizonte. Poderá ainda ver-se os planetas Marte, Saturno e Júpiter nessa noite.

Esta chuva de meteoros já começou com menor intensidade desde finais de Julho, como exemplifica esta imagem de um céu numa zona rural da
Foto
Esta chuva de meteoros já começou com menor intensidade desde finais de Julho, como se vê aqui na Suíça a 5 de Agosto SALVATORE DI NOLFI/EPA/Lusa

A chuva de meteoros das Perseidas atingirá o seu pico na noite de domingo, 12 de Agosto, a partir das 21h, e prolonga-se até às 8h de 13 de Agosto. Em Portugal, o fenómeno pode ser observado a partir das 23h do dia 12, momento em que a constelação de Perseus surge acima do horizonte. 

As Perseidas são uma “chuva de estrelas” causada pela passagem da Terra, na sua órbita à volta do Sol, perto da zona de detritos deixados pelo cometa Swift-Tuttle, cuja última passagem junto à órbita do nosso planeta ocorreu em 1992. Segundo o Observatório Astronómico de Lisboa (OAL), a Terra passa pela zona dos detritos do cometa e estes “atingem a atmosfera e desintegram-se, provocando rápidos rastos luminosos [chuva de estrelas]”, um fenómeno que ocorre todos os anos no mês de Agosto. Este ano será possível observar cerca de 110 meteoros por hora num céu escuro, assegura o Observatório.

Esta chuva de estrelas já começou com menor intensidade desde finais de Julho, pois, segundo o OAL, a zona “no espaço onde se encontram os detritos do cometa Swift-Tuttle é vasta”.

O nome Perseidas deve-se ao facto de esta chuva de estrelas, que é considerada por muitos especialistas como a mais espectacular, atingir o seu ponto radiante precisamente na constelação de Perseus. Na mesma noite, os admiradores deste tipo de fenómenos poderão ainda observar os planetas Marte, Saturno e Júpiter, destaca o OAL.

Este ano há um factor favorável para observação deste espectáculo luminoso: a fase de Lua Nova começa a 11 de Agosto, permitindo um céu mais escuro, o que proporcionará uma observação mais límpida dos rastos luminosos produzidos pelos meteoros.

A quem queira testemunhar esta chuva de meteoros no seu esplendor, aconselha-se a que se mantenha longe das luzes artificiais e procure um vasto horizonte. Nas zonas urbanas, devido à poluição luminosa, a observação do fenómeno encontra-se mais limitada. Em contrapartida, e devido às suas características, as zonas rurais e as praias são as que permitem uma melhor visualização das famosas Perseidas. O tempo também estará favorável, pois, segundo o Instituto do Mar e da Atmosfera (IPMA), para 12 de Agosto prevê-se céu pouco nublado em quase todo o território de Portugal Continental, à excepção do litoral na zona Centro e Norte.

No Ribatejo, o Centro de Ciência Viva de Constância estará aberto a todos aqueles que queiram observar este fenómeno. O director do centro, Máximo Ferreira, afirmou ao PÚBLICO que aqueles que queiram visitar o centro no próximo domingo à noite, para além de poderem observar a chuva de estrelas, poderão ainda assistir a “explicações aprofundadas sobre as constelações estrelares, bem como observar a constelação de Perseus a surgir no horizonte e ainda visualizar com nitidez os planetas Marte, Saturno e Júpiter”. Esta iniciativa decorrerá entre as 21h e as 24h de domingo, com entrada gratuita.

No arquipélago dos Açores, o Observatório Astronómico de Santana abrirá igualmente as suas portas a todos os que queiram assistir à chuva de meteoros e, caso as condições meteorológicas o permitam, poderá ver-se daí o fenómeno astronómico a partir das 21h locais (22h em Portugal Continental), segundo o site desta instituição. As previsões meteorológicas do IPMA dão céu muito nublado para os três grupos do arquipélago, à excepção do grupo Oriental, para onde, apesar de céu nublado, se prevêem algumas “boas abertas”.

Na ilha da Madeira, também poderá observar-se as Perseidas. Porém, as condições meteorológicas podem não ajudar, uma vez que as previsões do IPMA para este domingo apontam para céu muito nublado para todo o território madeirense. 

Para apreciar o fenómeno não é necessário nenhum equipamento específico. Basta olhar para o céu. O OAL sugere que a observação seja a feita a olho nu para que se tenha um ângulo de visão maior, de forma a desfrutar do espectáculo na sua totalidade.

Texto editado por Teresa Firmino