Região Norte

Percentagem de jovens no mercado de trabalho caiu 37,5% em vinte anos

Análise da Comissão de Coordenação do Norte mostra que escolarização e envelhecimento da população se reflectem na estrutura dos activos
Foto
PAULO PIMENTA

Mais velha, mais feminina, mais instruída. Em seis palavras, assim se pode resumir a evolução da estrutura etária da força de trabalho nas últimas duas décadas, na região Norte. Uma zona do país onde a população activa com menos de vinte anos tornou-se muito menos representativa, passando de 5,2% do total em 1998 para apenas 1,3%, no ano passado. E onde o total de activos com menos de 35 anos caiu mais de um terço (37,5%), passando de 44,5% para apenas 27,8%.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Algumas destas mudanças, expressas e analisados no último boletim estatístico Norte Estrutura, da Comissão de Coordenação da Região Norte, têm explicações simples. Há vinte anos a escolaridade obrigatória terminava no nono ano e, entretanto, alargou-se até ao 12.º ano. Mas na região ainda subsiste um problema de abandono escolar (12,8%). O Norte viu também aumentar a percentagem de jovens que acede ao ensino superior, embora neste indicador a região esteja ainda muito aquém das metas europeias para 2020.

“A proporção de indivíduos habilitados com algum grau de ensino superior (educação terciária) entre a população residente do grupo etário dos 30 aos 34 anos de idade é um indicador de referência no plano europeu no que se refere à qualificação da população. Ao nível da União Europeia, e também no plano nacional, está definido o objectivo de levar este indicador a atingir o valor de 40% até ao ano 2020”, lê-se no boletim.

O problema, alerta a CCDRN, é que “na Região do Norte, este indicador conheceu uma progressão muito forte, particularmente entre 2010 e 2013. Desde então, porém, a sua evolução nesta região tem sido pautada por uma comprometedora estabilidade. Em 2017, este indicador cifrou-se em 31,0% na Região do Norte (valor muito próximo dos 31,3% observados em 2013) e em 33,5% em Portugal”.

Um outro indicador relevante para a população jovem descrito neste boletim refere-se à proporção de indivíduos dos 18 aos 24 anos que, independentemente do nível de escolaridade alcançado, não estão empregados, nem estão envolvidos em educação ou formação (os chamados “nem, nem”). “Este indicador atingiu o seu valor máximo, na Região do Norte, nos anos de 2013 e 2014 (com 18,3%), reduzindo-se desde então. Em 2017, o mesmo indicador cifrou-se em 13,9% na Região do Norte e em 13,0% ao nível nacional”.

A escolaridade explicará assim em parte, apenas, o quase desaparecimento dos activos com menos de 20 anos, mas não explica completamente o que se passou com o total da população activa com menos de 35 anos. É certo que, fruto do envelhecimento da população, houve uma diminuição do peso desta faixa etária no total da população regional – e, ao mesmo tempo, aumentou a proporção de activos com idades entre os 45 e os 64 anos (de 26,9% em 2017 para 41,7% em 2017). Mas a isto será necessário acrescentar os fluxos migratórios, muito estimulados pelos anos de crise, e que tiveram como protagonistas activos relativos jovens, com formação avançada.

Apesar de alguns dados preocupantes, neste olhar a vinte anos encontramos uma região com activos mais escolarizados. Em 1998, “apenas um em cada 15 activos do Norte (6,7%) tinha concluído um curso do ensino superior enquanto, no extremo oposto, quase metade da população activa do Norte não tinha concluído qualquer nível de escolaridade (9,7%) ou possuía apenas o 1º ciclo do ensino básico (39,7%)", recorda a CCDRN.

Em 2017, verificava-se ainda que mais de metade (52,6%) da mão-de-obra do Norte contava com uma escolaridade inferior ao ensino secundário (ou seja, não cumpriu sequer o que corresponde actualmente à escolaridade obrigatória), incluindo 1,7% sem qualquer nível de escolaridade concluído e 14,8% que possuía apenas o 1.º ciclo do ensino básico. Mas cerca de 22,2% da população activa da região possuía habilitação ao nível do ensino superior.

Para o crescimento da oferta de mão-de-obra com habilitação superior contribuiu sobretudo a população activa feminina, já que, em 2017, na Região do Norte, contavam-se 16 mulheres activas com habilitação superior por cada 10 homens activos com o mesmo nível de escolaridade.

As mulheres da região têm também uma quota de responsabilidade nas boa notícias dos dados do emprego em Portugal revelados esta semana. Em 2017, o mercado de trabalho da Região do Norte registou uma evolução fortemente positiva, com a oferta de mão-de-obra a crescer pela primeira vez desde 2010, “reflectindo sobretudo o aumento das taxas de actividade entre os 45 e os 64 anos, em particular entre a população feminina”.

Aliás, neste boletim da CCRDN dá-se conta de que sem esse aumento do emprego feminino “a taxa de emprego (dos 20 aos 64 anos) na Região do Norte teria em 2017 sido substancialmente inferior à efectivamente observada (por uma diferença de cerca de três a quatro pontos percentuais)”.