PCP defende erradicação do eucalipto das serras da Madeira

O PCP defende que o mais importante é avançar com programas de plantação e reflorestação com recurso a espécies endémicas.

Em Agosto de 2016, um violento incêndio queimou parte da floresta da Madeira
Foto
Em Agosto de 2016, um violento incêndio queimou parte da floresta da Madeira Miguel Manso

O PCP/Madeira vai apresentar no parlamento regional e na Câmara Municipal do Funchal projectos para a erradicação do eucalipto da ilha, anunciou esta sexta-feira o partido, alertando para o perigo que a espécie representa em termos de incêndios.

"Os incêndios dos últimos anos, sobretudo os de 2016, deixaram marcas que ainda esta sexta-feira estão visíveis nas paisagens da região, em concreto no concelho do Funchal, mas este verde que agora começa a surgir é perigoso", disse a dirigente e deputada municipal comunista Herlanda Amado, advertindo que as áreas ardidas estão a cobrir-se novamente de eucaliptos.

No decurso de uma iniciativa partidária na freguesia do Monte, uma das mais afectadas pelos grandes incêndios de Agosto de 2016, o PCP indicou que vai retomar o seu projecto para a eliminação dos eucaliptos das serras da Madeira, quando recomeçarem os trabalhos no parlamento madeirense e na Assembleia Municipal do Funchal.

"Este verde é muito perigoso, porque são eucaliptos que agora florescem e estão a propagar-se pelas serras e deviam já ter tido uma outra intervenção por parte das entidades competentes, nomeadamente o Governo Regional e a Câmara do Funchal, no sentido de serem erradicados", advertiu.

Herlanda Amado lembrou que em Setembro de 2016, logo após os fogos que provocaram prejuízos avaliados em 151 milhões de euros, o PCP propôs na Assembleia Legislativa Regional um projecto de resolução para a erradicação do eucalipto, que foi chumbada pela maioria social-democrata.

"O desafio que agora deixamos é que se aprenda com os erros e se tome a iniciativa de criar esse plano", disse Herlanda Amado.

A dirigente comunista considerou que "não vale a pena estar apenas a fazer estudos e diagnósticos", pois o mais importante é avançar com "programas de plantação e reflorestação" com recurso a espécies endémicas.

"O desafio que deixamos aqui, quer ao Governo Regional (PSD), quer à Câmara Municipal (Confiança - PS/BE/JPP/PDR/Nós, Cidadãos!), é que devem ter uma postura de cooperação na defesa das populações e devem criar um plano de incentivo para a erradicação do eucalipto", realçou.