Crianças libertadas no Novo México eram treinadas para atacar escolas

Investigação às crianças subnutridas libertadas na semana passada diz que elas estariam a ser treinadas com armas semi-automáticas para futuros ataques. A polícia descobriu ainda os restos mortais de uma criança, cuja identidade não foi revelada pelos médicos forenses.

Fotogaleria
Pormenor do acampamento improvisado onde forma encontradas as 11 crianças Reuters
Fotogaleria
Local na comunidade de Amalia, uma área isolada no estado norte-americano do Novo México, perto da fronteira com o Colorado, onde foram encontradas as crianças Reuters/PAMELA PETERS

As crianças subnutridas encontradas pela polícia na sexta-feira num acampamento improvisado na pequena comunidade de Amalia, uma área isolada no estado norte-americano do Novo México, perto da fronteira com o Colorado, estariam a ser treinadas para usar armas de fogo com vista a futuros ataques a escolas.

Cinco adultos foram detidos na sequência do raid das autoridades e a documentação agora apresentada pelos procuradores do Novo México revela que as crianças estariam a ser treinadas por um dos homens, Siraj Ibn Wahhaj, de 39 anos, que já era procurado no estado da Georgia por suspeita de ter raptado o filho de quatro anos – que não estava entre as crianças encontradas. As autoridades descobriram restos mortais de uma criança do sexo masculino cuja identidade não foi ainda revelada pelos médicos forenses — o xerife do condado de Taos, no Novo México, Jerry Hogrefe, citado pela NBC, diz que pode ser o corpo do pequeno Abdul-ghani.

Os procuradores do Novo México mantêm em prisão preventiva Siraj Ibn Wahhaj e, refere a CNN, um dos familiares próximos que tinha uma das crianças sob tutela declarou em tribunal que “o acusado treinou estas crianças para fazerem uso de armas semi-automáticas em eventuais tiroteios contra escolas”. A investigação policial não revelou mais pormenores sobre o tipo de treino a que as crianças estariam sujeitas mas no complexo foram encontradas armas com munições e um campo de tiro.

As crianças têm entre um e 15 anos e foram encontradas sem sapatos, vestidas com trapos e pareciam “refugiados esfaimados”, disse a polícia à televisão ABC.

Sob investigação há meses

O complexo estaria há meses sob investigação mas a polícia não tinha encontrado motivos para emitir um mandado de busca. Uma denúncia motivou uma nova investida das autoridades e a polícia acredita que o alerta tenha sido dado por alguém dentro da habitação improvisada, que consiste numa pequena caravana coberta com um toldo de plástico, sem água canalizada e sem electricidade. Não foi encontrada água potável e a pouca comida que havia eram batatas e um pacote de arroz.

Os cinco adultos detidos — três mulheres que se acredita serem mães ou familiares próximos das crianças e ainda Lucas Morten, suspeito de ter dado abrigo a um fugitivo — foram acusados na quarta-feira de 11 crimes de abuso infantil e negligência, refere a CNN.

 As 11 crianças foram encaminhadas para os serviços de acção social do estado. “As crianças estão connosco e a nossa prioridade número um é a saúde e segurança”, admitiu em comunicado a responsável do CYFD, serviço de apoio a crianças do Novo México, Monique Jacobson.