A águia-imperial-ibérica já faz ninho em Serpa

Serpa passou a integrar a restrita lista de concelhos no país onde a espécie, "criticamente em perigo", nidifica. Praticamente afastada do país no início do milénio, está a ser lenta a recolonização da espécie em território nacional.

Foto
José Luís Barros

Só existem 500 casais no mundo e destes apenas 15 se encontravam em Portugal no ano passado, o que faz da águia-imperial-ibérica (Aquila adalberti) uma das espécies de águia mais ameaçadas do mundo. Contudo, durante este ano, e em plena época de reprodução, foi confirmada a presença de um casal em Serpa, alargando assim a área de presença da ave no país. 

Esta ave de rapina, nativa da Península Ibérica, é uma das mais ameaçadas da Europa e está entre as mais raras do mundo. Em Portugal, está classificada como criticamente em perigo, diz ao PÚBLICO Paulo Marques, coordenador do projecto LIFE Imperial, que tem como missão conservar a águia-imperial-ibérica.

Durante o século XX, esta espécie sofreu “um grande declínio da população”, sobretudo entre o final da década de 1970 e o início dos anos de 1980. No final do século, “estava praticamente extinta”. Se em Espanha o número de aves foi “muito reduzido” — para menos de 100 casais, aponta Paulo Marques —, em Portugal, esse declínio culminou no desaparecimento da população reprodutora. Só em 2003 a águia-imperial-ibérica voltou a fazer ninho no país.

Desde então, a espécie tem vindo a colonizar lentamente o território nacional, alcançando a região sul do país junto à fronteira, desde o Vale do Guadiana Castro Verde, Moura/Barrancos até Castelo Branco. Agora, Serpa acolhe também estas aves, tendo sido identificadas, em Julho, três crias quase prontas a voar, revelou a autarquia em comunicado.

Um regresso duradouro

Lançado em Julho de 2014, o projecto LIFE Imperial está desde então a acompanhar a lenta recolonização da espécie em Portugal, motivada pelo regresso destas aves a Espanha, que tem também em curso vários projectos de conservação.

O projecto, coordenado pela Liga para a Protecção da Natureza (LPN) e apoiado pelo programa LIFE da União Europeia, quer “ajudar a que o regresso da espécie a Portugal se faça de uma forma duradoura”, nota Paulo Marques.

A águia-imperial-ibérica é uma ave de grande porte, bico forte, garras robustas e uma plumagem variável até atingir a maturidade. Em média, vivem cerca de 16 anos. A plumagem dos adultos é negra, com as penas da cabeça mais claras e um bordo branco nos ombros que distingue a espécie. Dependente de habitats agro-florestais mediterrânicos, constrói os ninhos quase exclusivamente em árvores em “zonas calmas”, especialmente quando se estão a reproduzir. “São espécies que têm territórios muito largos que podem chegar aos quatro mil hectares”, explica Paulo Marques.

Não se sabe ao certo quais as razões pelas quais a espécie desapareceu do país. Mas a perda de habitat, com a destruição do matagal mediterrânico e dos montados, a alteração dos usos do solo, a construção de infra-estruturas e o desaparecimento de árvores de grande porte, contribuíram para o desaparecimento da espécie do país. Assim como o facto de a águia-imperial-ibérica ser um predador de topo — como o lince ibérico e o lobo — e de ser perseguida por isso.

A sua dieta é essencialmente constituída por mamíferos e aves de médio porte, em particular o coelho-bravo, que tem também sofrido uma “grande perda populacional” nos últimos anos, associada a doenças como a febre hemorrágica e a mixomatose. Por isso, a escassez de alimento também contribuiu para a diminuição do número destas aves. 

O reforço da população destas presas é, aliás, uma das medidas do projecto LIFE Imperial que tem também promovido acções de conservação e vigilância de ninhos e construção de novos. Além da LPN, estão também envolvidos no projecto o Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), a EDP Distribuição, a câmara de Castro Verde, a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e a GNR. Do lado de lá da fronteira, conta ainda com o apoio da Sociedade Espanhola de Ornitologia (SEO BirdLife) e TRAGSATEC, uma empresa tecnológica especializada em agricultura, florestas e desenvolvimento rural.

Como é uma ave de grande envergadura — pode chegar aos dois metros — os fios e postes de electricidade são também uma ameaça, tendo já provocado a morte a algumas destas aves. Os envenenamentos são actualmente uma das principais ameaças, sobretudo quando se alimenta de cadáveres de outros animais.

No final de 2016, uma águia-imperial-ibérica, 13 milhafres-reais e uma raposa morreram no maior episódio de envenenamento de aves selvagens numa zona de protecção especial, em Castro Verde, disse na altura a LPN ao PÚBLICO. 

Se no ano passado foram identificados 15 casais em Portugal, distribuídos pela Beira Baixa, Alto Alentejo e Baixo Alentejo, a expectativa do coordenador do programa é a de que este ano sejam identificados mais. Quando o projecto arrancou em 2014, eram 12 casais. “O trabalho que tem de ser feito é atacar estas ameaças à espécie para que haja condições para aumentar a sua sobrevivência”, sublinha Paulo Marques.