Taxify alarga serviço de transporte de passageiros ao Porto

Depois de Lisboa, plataforma electrónica chega à Invicta, onde já estão a Uber e a Cabify.

Foto
Empresa criada na Estónia chegou a Portugal em Janeiro deste ano REUTERS/Ints Kalnins

A Taxify, plataforma electrónica ligada ao transporte de passageiros em veículos descaracterizados (TVDE), começa esta quinta-feira a operar no Porto, onde já estão presentes os concorrentes Uber e Cabify. “Depois da capital era natural que nos expandíssemos para o Porto”, afirmou em comunicado David Ferreira da Silva, responsável pela operação da empresa em Portugal.

Segundo a Taxify, até agora já cerca de três mil pessoas tinham feito o download da aplicação no Porto. Ao nível dos motoristas, diz ter “centenas” registados na plataforma e prontos para aceitar as primeiras viagens, sem especificar o número.

A empresa, criada na Estónia e que conta com capital da chinesa Didi (que domina este negócio na China), chegou a Portugal em Janeiro deste ano. No comunicado enviado esta quinta-feira às redacções, diz que, desde essa data, “dezenas de milhar de portugueses já experimentaram a Taxify” e que a plataforma “já conta com mais de mil motoristas registados”.

A Uber, de origem norte-americana, foi a primeira empresa a surgir no mercado nacional, no Verão de 2014. Hoje, está também presente no Porto, Braga, Guimarães e na região do Algarve. Por parte da Cabify, esta chegou ao Algarve no início do passado mês de Junho, dois anos após ter arrancado as operações em Lisboa e no Porto.

À espera da lei

O sector do TVDE, que além das plataformas engloba os operadores de transporte e os motoristas, aguarda a publicação em Diário da República da lei que vem regulamentar a actividade concorrente dos táxis. Depois de um primeiro veto, o Presidente da República, Marcelo Rebelo se Sousa, promulgou a 31 de Julho o diploma que passou no Parlamento com os votos favoráveis do PS e do PSD.

O diploma inicial previa que o valor da contribuição ficasse entre 0,1% a 2%. A palavra final caberia ao Governo, de onde partiu a proposta legislativa, e na qual nada constava sobre uma taxa ou contribuição (a ideia foi do PSD). No entanto, Marcelo Rebelo de Sousa, quanto vetou em Abril a lei, afirmou que “a grande compensação da inexistência de contingentes [como existem nos táxis] e de um regime favorecido de tarifas para os TVDE” podia “acabar por ser insignificante”. Agora, fixou-se nos 5%.

Ao mesmo tempo, o Presidente sublinhou que a regulação da actividade de TVDE devia ser feita “em simultâneo com a modernização” dos táxis. Entretanto, já há várias medidas em curso ligadas aos táxis, na sequência do grupo de trabalho que tinha sido formado para o efeito, como a disponibilização de apoio financeiro para a compra de veículos eléctricos. O sector, no entanto, tem mostrado o seu desagrado com a aprovação da lei, tendo a ANTRAL e a Federação Portuguesa do Táxi convocado uma manifestação para 11 de Setembro, em Lisboa.

Mapa do TVDE

Lisboa – Uber, Cabify e Taxify

Porto - Uber, Cabify e Taxify

Região do Algarve – Uber e Cabify

Braga - Uber

Guimarães – Uber