Saúde

Homens que vestem boxers têm mais espermatozóides

Análise ao sémen de 656 homens de um centro de fertilidade nos Estados Unidos mostrou que a roupa interior mais justa pode ter impacto negativo na fertilidade.
Foto
Boxers e slips, quais os melhores? Os primeiros, segundo este estudo Jayesh

Pode a roupa interior influenciar a fertilidade? Um estudo de uma equipa de cientistas dos Estados Unidos publicado esta quarta-feira na revista Human Reproduction considera que sim. Os homens que normalmente vestem boxers têm concentrações de espermatozóides mais elevadas, assim como um maior número total destas células reprodutivas masculinas, do que os homens que usam roupa interior mais apertada. Este é a maior investigação feita até agora sobre a influência da roupa interior masculina na qualidade do sémen.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Há pouco mais de um ano, uma equipa internacional de cientistas, que analisou 185 estudos publicados entre 1973 e 2011, revelou que o número de espermatozóides em homens dos EUA, Europa, Austrália e Nova Zelândia diminuiu mais de 50% nesse período. Quais as causas? Estilo de vida da sociedade moderna, o tabaco, o stress, a obesidade e a exposição a pesticidas.

Outras investigações também já tinham mostrado que elevadas temperaturas na zona do escroto podiam afectar negativamente a função dos testículos. Mas, até agora, os estudos que questionavam se diferentes estilos de roupa interior teriam impacto na fertilidade eram “inconclusivos”, segundo a equipa num comunicado sobre o recente trabalho.

Por isso, agora fez-se o maior estudo de sempre sobre a associação entre a roupa interior e a qualidade do sémen. Ao todo recolheram-se informações e amostras de sémen de 656 homens. Estes indivíduos faziam parte de casais que estavam a fazer tratamentos de fertilidade no Hospital Geral do Massachusetts (EUA) entre 2000 e 2017. “[Este estudo] é o maior em número de homens e amostras de sémen”, sublinha ao PÚBLICO Lidia Mínguez-Alarcón, da Escola Chan de Saúde Pública (EUA) e uma das autoras do artigo. Os homens tinham entre 18 e 56 anos (a média de idades era de 35,5 anos), um índice médio de massa corporal de 26 e não tinham feito uma vasectomia.

Além de disponibilizar uma amostra de sémen, cada homem respondeu a um questionário sobre a sua roupa interior nos últimos três meses. Nesse questionário, tinham de escolher entre as seguintes categorias: boxers (roupa interior mais larga), slips (cuecas apertadas ou boxers mais apertados), bikini (slips muito curtos), jockeys (boxers justos até por cima do joelho) ou outros (que incluía também boxers justos e uma mistura de vários tipos de roupa interior).

Cerca de 53% dos participantes responderam que, normalmente, usavam boxers. E verificou-se que tinham concentrações de espermatozóides 25% mais elevadas e um número total dessas células 17% maior do que os homens que não usavam boxers.

Os indivíduos que vestiam roupa interior mais larga também tinham percentagens mais elevadas de espermatozóides capazes de se deslocar para o sistema reprodutivo feminino e fertilizar um óvulo. A maior diferença foi entre os homens que usavam boxers e os que vestiam jockeys ou slips.

“Os boxers são a melhor opção porque são a roupa interior mais larga”, aconselha Lidia Mínguez-Alarcón, explicando que a roupa interior mais apertada aumenta a temperatura do escroto e pode prejudicar a produção de espermatozóides.

Um mecanismo compensatório

Depois, ainda se recolheram amostras de sangue de 304 dos participantes do estudo. Viu-se assim que os homens que usavam boxers tinham os níveis da hormona folículo-estimulante (FSH) 14% mais baixos do que os indivíduos que não usavam boxers. No comunicado, salienta-se que esta hormona é conhecida por ter um papel importante na fertilidade masculina e é associada à produção de espermatozóides.

O que significa isto? “Os homens que vestem roupa interior mais apertada têm menos espermatozóides e níveis mais elevados de FSH. Isto sugere a presença de um mecanismo compensatório secundário para as lesões nos testículos devido às temperaturas elevadas no escroto causadas pela roupa interior apertada”, responde Lidia Mínguez-Alarcón. Este mecanismo vai sinalizar ao cérebro que o homem está a produzir menos espermatozóides e impulsiona a produção de hormonas que estimulam a actividade das gónadas, para que estas tentem assim aumentar a produção de espermatozóides. 

“Não houve diferenças significativas noutras hormonas reprodutivas ou danos no ADN do sémen”, refere-se ainda no comunicado.

“Estes resultados apontam para uma mudança relativamente simples que os homens podem fazer quando as suas parceiras querem ficar grávidas”, considera a cientista. E Jorge Chavarro, também da Escola Chan de Saúde Pública e autor do artigo, acrescenta: “Além de fornecer provas adicionais que as escolhas da roupa interior podem ter impacto na fertilidade, o nosso estudo demonstra, pela primeira vez, que uma escolha fortuita no estilo de vida pode ter impactos profundos na produção hormonal nos homens tanto ao nível dos testículos como do cérebro.”

Mesmo assim, os cientistas chamam a atenção para as limitações do trabalho. Por um lado, apontam que não se pode generalizar este estudo a todos os homens, porque os participantes frequentam um centro de fertilidade (embora tenham sémen com boa qualidade segundo os padrões da Organizações Mundial da Saúde). Por outro lado, referem que, por si só, o tipo de roupa interior não afecta a qualidade do sémen e dos níveis de FSH, mas que há uma associação entre ambos. O tipo de calças ou o material da roupa interior também pode ter influência. Contudo, como precaução, Lidia Mínguez-Alarcón sugere que se escolha bem a roupa interior que se usa.