Obras em São Bento custam 719 mil euros e duram até Setembro

Construtora Ramos Catarino anunciou que venceu o concurso para as obras de reabilitação da residência oficial do primeiro-ministro, em São Bento.

Até Setembro, Costa subsituiu o gabinete de São Bento por outro no Terreiro do Paço
Fotogaleria
Até Setembro, Costa subsituiu o gabinete de São Bento por outro no Terreiro do Paço Nuno Ferreira Santos
Várias obras de arte foram colocadas há quase um ano na residência oficial
Fotogaleria
Várias obras de arte foram colocadas há quase um ano na residência oficial daniel rocha
Em Outubro, residência abriu a porta a visitantes
Fotogaleria
Em Outubro, residência abriu a porta a visitantes Rui Gaudencio
Uma visitante curiosa numa das salas da residência oficial
Fotogaleria
Uma visitante curiosa numa das salas da residência oficial Rui Gaudencio
Passaram milhares de pessoas pelos jardins e "casa" do primeiro-ministro
Fotogaleria
Passaram milhares de pessoas pelos jardins e "casa" do primeiro-ministro Rui Gaudencio

A construtora Ramos Catarino anunciou na terça-feira que venceu o concurso para as obras de reabilitação da residência oficial do primeiro-ministro, em São Bento, Lisboa, uma intervenção com um valor global de 719 mil euros.

"Esta obra foi atribuída após convite para um concurso muito participado que obedeceu a todas as regras e obrigações constantes do Código dos Contratos Públicos (CCP)", disse, em comunicado, o Conselho de Administração da Ramos Catarino.

A obra tem conclusão prevista para o final do mês de Setembro e, a 5 de Outubro, a residência já deverá estar de novo visitável.

"O Conselho de Administração da Ramos Catarino congratula-se pelo facto de as obras de reabilitação e pinturas na residência oficial do primeiro-ministro estarem a decorrer de acordo com o previsto no caderno de encargos, ou seja, está em dia em termos de programa de trabalhos", referiu.

Estas obras foram anunciadas por António Costa no discurso que fez perante centenas de pessoas presentes em Abril de 2018, num momento em que tinha ao seu lado o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina.

Na altura, fonte oficial do gabinete do primeiro-ministro referiu à agência Lusa que, ao longo dos últimos anos, vários relatórios (entre os quais um do Laboratório Nacional de Engenharia Civil) apontaram questões de segurança no Palacete de São Bento. As obras deverão servir para mudar o sistema de climatização, a instalação eléctrica e para reformar a protecção contra incêndios.