Opinião

As férias são um lugar estranho

Tudo te parece normal, mas não é!

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

As dores instalam-se no corpo porque nada fazes, instalam-se na cabeça por nada pensar.

Lês Vampiros de forma voraz e pelo meio delicias-te com doses cavalares de bolas de Berlim.

Tiras fotografias, iguais às de toda a gente, e contas os likes no Instagram e no Facebook.

Andas à pendura no carro com a desculpa que estás com os músculos presos. Andas na praia só porque vês dezenas de pessoas a passar à tua frente de um lado para o outro. Esticas as t-shirts com a desculpa que o calor cola a roupa à pele.

Pões o telefone em modo avião, mas à socapa vais controlando os emails quando todos estão a dormir.

Vais às feiras agrícolas comprar botas e passear na rua junto dos carrosséis onde os teus filhos lutam para montar a girafa.

Lês o jornal, online claro, e é com deleite que as notícias te dão conta que os turistas mais pesados estão a dar cabo dos burros em Santorini.

Até aqui tudo normal.

Fora do normal é os tablets e os smartphones serem trocados pelo Monopólio e pelo Ludo.

Ainda mais estranho é ensinares os teus filhos a jogarem à bisca dos três e eles adorarem.

Ou será que não é assim estranho?

Será que nos falta tempo para investir em tempo com os miúdos? Será que o tempo que gastamos no nosso quotidiano deveria ter uma fracção de tempo ajustada ao tempo dos nossos filhos?

Não sou contra a tecnologia. Pelo contrário! É útil e nós precisamos dela.

É útil e quem não tirar partido dela será um inútil. Seja no dia-a-dia, seja no mundo do negócio, seja na simples percepção sobre o impacto que as tecnologias digitais terão, ou já têm, nas nossas vidas.

É tão útil e tão necessária que nós em Portugal só agora começámos a olhar para a tecnologia e já percebemos o quão iletrados somos a nível tecnológico.

Não. Não sou contra.

Mas... nem que seja nas férias, nos fins-de-semana, numa ou noutra tarde, há que tirar o Ludo e o Monopólio das gavetas, há que limpar o Sabichão e todos os clássicos da Majora que nos possamos lembrar, e jogar! Jogar “como se não houvesse amanhã”, já o outro dizia.

Há que deixar os jogos dos tabuleiros de vidro de parte e lançar os dados em cima do tabuleiro de cartão.