Maduro: Drones, disparos, uma explosão de gás e estranhas reivindicações

Sabemos o que aconteceu quando o líder da Venezuela discursava numa parada em Caracas?

Maduro, instantes antes do suspeito ataque contra a sua vida
Fotogaleria
Maduro, instantes antes do suspeito ataque contra a sua vida Miguel Gutierrez/EPA
Membros de diferentes forças de segurança em busca de provas do ataque num prédio próximo
Fotogaleria
Membros de diferentes forças de segurança em busca de provas do ataque num prédio próximo Miguel Gutierrez/EPA
A polícia teve uma noite de muito trabalho em Caracas
Fotogaleria
A polícia teve uma noite de muito trabalho em Caracas Miguel Gutierrez/EPA

Oficialmente, não há dúvidas: Nicolás Maduro diz ter sido foi alvo de uma tentativa de assassínio da extrema-direita colombiana e venezuelana, com apoio financeiro vindo dos Estados Unidos. 

Drones e conspiração de poderes estrangeiros

A cabala descrita por Maduro tem um alvo muito específico, o Presidente cessante da Colômbia, Juan Manuel Santos, que “está por trás” do ataque, afirma. Este teria sido apoiado por uma rede de “conspiradores e financiadores” a partir da Florida. O grupo de mercenários contratados na Venezuela já está preso e a investigação prossegue, diz-se ainda em Caracas. “Já é costume que o mandatário venezuelano culpe permanentemente a Colômbia por qualquer tipo de situação. Exigimos respeito”, comentou numa nota o Ministério dos Negócios Estrangeiros colombiano. O conselheiro para a Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, também desmentiu “qualquer intervenção americana”. A versão oficial refere-se a drones com uma carga explosiva que se dirigiriam para Maduro e em direcção à própria parada. “Vários bombeiros” citados pela Associated Press contradizem esta versão, afirmando que os barulhos que se ouviram e assustaram os presentes foram provocados pela explosão de uma bilha de gás num apartamento próximo.

Rebeldes de extrema-direita

No caos actual em que se encontra a Venezuela alguns grupos absolutamente desconhecidos decidiram reivindicar este suspeito ataque, com mais ou menos pormenores. O Movimento Nacional de Soldados em T-shirts (dele só se conhece a página no Twitter, anti-Maduro) descreve que o plano era “sobrevoar dois drones carregados com [explosivos] C-4 no palco presidencial” mas diz que “atiradores furtivos da Guarda de Honra [os] derrubaram antes de chegar ao objectivo”. O grupo congratula-se por ter mostrado que “o Governo é vulnerável” e avisa que “é uma questão de tempo” até um ataque ser bem-sucedido. Um militar ouvido pelo El País – estava a uns 5 metros do Presidente – garante que a versão “drones” não é credível. Nem ouviu tiros nem considera lógico disparar contra um drone em movimento. “É quase impossível acertar. E não explode.” Circulou ainda um comunicado sobre uma denominada Operação Fénix em que se anunciam “acções militares” para restabelecer a democracia e “culminar com êxito esta luta emancipadora”.

Encenação ou aproveitamento

São mais os que apostam na versão explosão de botija de gás no prédio Residencias Don Eduardo – há fotos de jornalistas que mostram o fumo que sai do edifício, na rua do incidente – aproveitada pelo regime. “A 'investigação’ oficial à alegada tentativa de assassínio contra Maduro segue o curso habitual: começa com as conclusões e trabalha a partir daí”, escreveu no Twitter Phil Gunson, consultor do think tank International Crisis Group. E tudo se resolveu “em horas”, num país “em que 98% dos crimes ficam por punir”. “Pode tratar-se de muitas coisas, desde um pretexto criado pelo próprio regime de Maduro a qualquer atacante”, diz Bolton, reclamando informação de Caracas sobre o “financiamento a partir da Florida”.